início > textos Ano XX - 19 de abril de 2019



QR - Mobile Link
MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES NO MERCADO DE CÂMBIO MUNDIAL

MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES NO MERCADO DE CÂMBIO MUNDIAL

OS BANCOS FORAM OS CAUSADORES DA CRISE MUNDIAL DE 2008

São Paulo, 02/12/2013

Referências: Crise Mundial de 2008 - Bancarrota Norte-Americana, Falência Econômica dos Países Europeus em 2011. Fraudes Cometidas pelos Executivos dos Banqueiros.

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFe.

A IRRESPONSÁVEL ATUAÇÃO DOS BANCOS OFFSHORE

ESPECULAÇÃO E MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES

Os bancos e as demais instituições do sistema financeiro mundial indiscutivelmente foram as causadoras da Crise Mundial de 2008, iniciada nos Estados Unidos, o que deixou evidente a fraqueza daquele país na fiscalização dos tubarões de Wall Street.

Veja o texto sobre A Lição Democrática da Islândia.

Se os grandes bancos norte-americanos e europeus agem como verdadeiros bandidos, podemos imaginar o que vem fazendo através de suas dependências, os Bancos Offshore, sediados em Paraísos Fiscais.

Veja também as fraudes e crimes contra investidores cometidos por administradores de Fundos Offshore no texto Países Desenvolvidos São os Mais Prejudicados pela Ação Danosa dos Paraísos Fiscais.

Sobre esse tema, foi escrito um texto em que eram respondidas dúvidas de um usuário do COSIFE que mantinha conta bancária nos Estados Unidos e depois a transferiu para um desses bancos acusados, o qual operava no Brasil por meio de dependência sediada num Paraíso Fiscal na categoria de OFFSHORE.

Para informações complementares, veja o texto A Responsabilidade Social dos Bancos Offshore, publicado em 03/12/2010. Em aditamento, veja Bancos Europeus Apoiam o Crime Organizado, publicado em 20/12/2012.

Sobre o termo OFFSHORE, veja os textos:

Incluindo as fraudes praticadas no Brasil, veja o texto A Crise dos Banqueiros e Demais Empresários do Primeiro Mundo, em que está a notícia sobre a manipulação da Taxa Libor pelo Barclays.

O AUMENTO DA TAXAS DE JUROS NO BRASIL

Diante de tantos desmandos no mundo desenvolvido, fica uma desconfiança quanto ao que deva estar acontecendo no Brasil. Afinal, as fraudes em licitações engendradas pelas empresas empreiteiras de obras públicas são tantas que, para lavar todo o dinheiro oriundo das fraudes, torna-se necessária a intermediação dos bancos, principalmente daqueles que tenham dependências no exterior e especialmente em Paraísos Fiscais.

Os pessimistas dirão que no Brasil deve estar acontecendo o mesmo que na Europa. Porém, o Banco Central independente não tem condições de reprimir as fraudes.

De outro lado, para agradar os detentores dos títulos públicos emitidos pelo Brasil, o COPOM tem aumentado a taxa de juros. A desculpa de sempre é o combate à inflação.

De fato, se o detentores dos títulos públicos brasileiros foram os causadores da alta inflação verificada em 2013, o aumento da taxa de juros funcionou como um agrado ("cala-boca") para que os controladores das grandes empresas não continuassem a provocar a inflação. O maior exemplo de que a inflação foi engendrada aconteceu nos supermercados, que aumentaram os preços somente dos produtos adquiridos pelo povão.

Veja a seguir os dois principais textos publicados no Brasil.

HSBC ENFRENTA DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO E LAVAGEM DE DINHEIRO

Banco também é acusado de realizar transações com traficantes e instituições que financiam terrorismo

Texto publicado em: 06/11/2013 por NOTÍCIAS.R7, com vídeo do Jornal da Record.

MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES NO MERCADO DE CÂMBIO

O HSBC (Hong Kong and Shanghai Banking Corporation), um dos maiores bancos do mundo, está no banco dos réus. A instituição financeira reconheceu nesta terça-feira (05/11/2013) em Londres que está sendo investigada por participação em um esquema de manipulação de taxas de câmbio internacionais, mercado que movimenta US$ 5,5 trilhões por dia.

MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES DE AÇÕES DO BANCO

Nos Estados Unidos, a Justiça obrigou o banco a pagar uma indenização de quase R$ 6 bilhões (US$ 2,5 bilhões) a 10 mil correntistas que investiram em ações do banco que valiam menos do que o HSBC anunciava. No fim do ano passado, a instituição já havia pagado uma multa de US$ 1,9 bilhão em acordo firmado no tribunal de Nova York.

OS BANCOS COMO RESPONSÁVEIS PELA CRISE MUNDIAL DE 2008

No balanço do primeiro trimestre deste ano, o HSBC afirma que pode ser obrigado a pagar mais uma multa ao governo americano no valor de US$ 1,6 bilhão. A multa seria uma compensação pela venda de títulos assegurados por dívidas imobiliárias que, mais uma vez, não tinham o valor que o banco garantia que tinham. Papéis similares a esses foram os responsáveis por detonar a crise econômica mundial em 2008.

LAVAGEM DE DINHEIRO DE TRAFICANTES E TERRORISMO

A justiça norte-americana investiga o HSBC há dez anos e desde então alerta para o esquema de lavagem de dinheiro de traficantes de drogas mexicanos usando a instituição.

AUSÊNCIA DE PUNIÇÕES - NINGUÉM FOI PARAR NA CADEIA

O professor de direito da Universidade de Columbia John Coffee afirma que, em agências mexicanas do HSBC, traficantes chegavam com malas de dinheiro para depositar.

- Ninguém foi parar na cadeia. Se os executivos estavam ganhando dinheiro, podem voltar à mesma prática, a não ser que alguém seja preso.

TRANSAÇÕES COM PAÍSES INIMIGOS DOS STATES

O banco também é acusado de realizar transações com instituições financeiras sauditas acusadas de financiar terroristas. Em outra infração, fez negócios com países considerados inimigos dos Estados Unidos, como Sudão e Irã.

SONEGAÇÃO FISCAL

Na Argentina, a Receita Federal local descobriu que quase R$ 180 milhões (US$ 80 milhões) passaram ilegalmente por seus cofres em faturas falsas e operações fraudulentas do HSBC. O banco deixou também de recolher mais de R$ 100 milhões em impostos no país da presidente Cristina Kirchner.

DIREITO DE RESPOSTA

Em comunicado, o HSBC admitiu os erros e se comprometeu a não repeti-los.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Atualmente o banco tem sede em Londres e agências em 85 países. No Brasil, segundo o Banco Central, está entre as três instituições financeiras com maior número de reclamações de correntistas.

HSBC CONFIRMA QUE ESTÁ SENDO INVESTIGADO POR MANIPULAÇÃO DE DIVISAS

Texto publicado por ECONOMIA.UOL em 04/11/2013

LONDRES, 04 Nov 2013 (AFP) - O banco britânico HSBC confirmou nesta segunda-feira que está sendo investigado por possíveis manipulações do mercado de divisas [mercado de câmbio de moedas estrangeiras], em um novo escândalo financeiro no qual estão envolvidas outras seis empresas.

"A Autoridade de Regulação Financeira (FCA) britânica está investigando, ao lado de outras agências de diversos países, várias empresas, entre elas o HSBC, a respeito dos intercâmbios no mercado de divisas", afirma um comunicado do maior banco europeu.

"Estamos cooperando com as investigações, que se encontram em um estágio preliminar", completa a nota do banco, que nesta segunda-feira também anunciou um aumento de 28% do lucro líquido no terceiro trimestre, a 3,2 bilhões de dólares.

DECLARAÇÃO DA AUTORIDADE FISCALIZADORA NA INGLATERRA

A FCA informou que estava investigando supostas manipulações de divisas [Reservas Monetárias], em um gigantesco mercado que movimenta 5,3 trilhões de dólares a cada dia. As investigações também acontecem na Suíça e nos Estados Unidos.

OUTROS BANCOS ENVOLVIDOS NA MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES

O escândalo se soma a outro, o da manipulação da taxa interbancária Libor [semelhante à Taxa SELIC], que influencia o custo dos empréstimos imobiliários, e no qual foram multados grandes bancos, começando pelo britânico Barclays.

Antes do HSBC, outros seis bancos confirmaram que estavam sendo investigados: o alemão Deutsche Bank, o suíço UBS, os americanos Citigroup e JPMorgan Chase e os britânicos Barclays e Royal Bank of Scotland (RBS).

Segundo diversas fontes, o Barclays suspendeu seis operadores e o RBS dois.

CONCLUSÃO

Os banqueiros, assim como os demais agentes (profissionais) do mercado financeiro e de capitais, foram os grandes causadores das perdas impingidas aos pequenos investidores em todo o mundo.

Por tal motivo surgiu o movimento "Occupy Wall Street" em que os manifestantes pediam a intervenção governamental no maior centro financeiro mundial, estabelecido em Nova Iorque - USA. Idênticos movimentos surgiram na Europa.

Antecipando-se às constantes crises acontecidas tanto no Brasil como pelo mundo afora, principalmente na má gestão de recursos financeiros (ativos) de terceiros (fundos de investimentos), foi expedida a Resolução CMN 2.451/1997, que ficou conhecida com as barreiras interpostas para evitar fraudes no Gerenciamento de Ativos (Chinese Wall no Asset Management).

Em razão dessa má gestão nos fundos de investimentos, foi criada neste COSIFE a página sobre os Crimes e Fraudes Contra Investidores e mais recentemente foi publicado o texto As Diversas Facetas dos Fundos de Investimentos.

Mas, na atual crise iniciada em 2008, como o Brasil tem estado em situação privilegiada em relação aos países desenvolvidos, ninguém se manifestou contrariamente aos fatos ocorridos no exterior.

Em 2013 as manifestações ficaram por conta daqueles que davam preferência à depredação das agências bancárias. Provavelmente os ataques com dinamite aos caixas eletrônicos tenham a mesma finalidade de protesto contra a ação nefasta dos banqueiros e de seus executivos.

Como os governantes dos países desenvolvidos nada fizeram contra os banqueiros fraudadores, cujos bancos deveriam ser fechados ou encampados, e ainda forneceram elevadas quantias aos mesmos, os descontentes obviamente partiram para o vandalismo como forma de protesto. Possivelmente agiram também em contraposição à ação militar exercida em defesa dos causadores da desgraça econômica e social dos pequenos investidores.

Essa ação radical foi apoiada por alguns sindicatos de trabalhadores, porque estes também foram os principais prejudicados pela automação bancária e pelas altíssimas taxas de juros cobradas do povão.

Em concorrência aos banqueiros, pressionando as taxas de juros para baixo, a partir de 2010 os bancos governamentais brasileiros passaram a oferecer taxas de juros bem inferiores às cobradas pelos banqueiros privados, o que amenizou os problemas financeiros enfrentados pelo povão. As baixas taxas de juros também serviram de estímulo ao consumo de eletrodomésticos, que tiveram o IPI - Imposto sobre Produtos Industrializados reduzido pelo Governo.

Como escreveram vários poetas musicais: "Recordar é Viver" os acontecimentos passados para que se possa combater suas reedições no presente e no futuro.

Portanto, como solução definitiva para um antigo problema, existente desde a década de 1970, só resta a encampação dos bancos privados, a exemplo do que fez o governo islandês em 2009.