início > contabilidade Ano XIX - 19 de agosto de 2018



QR - Mobile Link
ESPECIALIZAÇÕES DA CONTABILIDADE

RAMIFICAÇÕES E ESPECIALIZAÇÕES DA CONTABILIDADE

ESPECIALIZAÇÕES DA CONTABILIDADE (Revisada em 10-05-2018)

  1. RESUMO
  2. INTRODUÇÃO
  3. PRINCIPAIS ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO DAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS
    1. Contabilidade Geral X Contabilidade Financeira
    2. Contabilidade de Custos (Informações por Seguimento Operacional)
    3. Controladoria (Fluxo de Caixa, Contabilidade Financeira ou Contabilidade Gerencial)
    4. Análise de Demonstrações ou Análise de Balanços
    5. Auditoria Contábil
  4. INSTRUMENTOS CONTÁBEIS PARA TOMADA DE DECISÕES
    1. Contabilidade Geral X Contabilidade Financeira
    2. Contabilidade de Custos
    3. Cálculo do Custos / Volume / Lucro
    4. Controladoria
    5. Análise de Balanços
    6. Auditoria
  5. CONCLUSÃO

Veja também:

  1. Contabilidade no Segmento Administrativo
  2. Contabilidade no Segmento Operacional
  3. Ramificações ou Especializações da Contabilidade

NOTA DO COSIFE:

Especializações em Ciências Contábeis - Artigo publicado na revista VISTA & REVISTA nº 2 do departamento de Ciências Contábeis da UFMG, de autoria de Álvaro Pereira de Andrade e Luiz Gustavo Cordeiro da Silva, extraído do “site” do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Pernambuco.

1. RESUMO

O trabalho discute a partir dos diversos ramos da Contabilidade os instrumentos que cada um a seu modo oferecem aos administradores, para tomada de decisão.

Ver o Quadro Sinótico das Especializações em Contabilidade.

Veja ainda os seguintes textos do site do Cosife

2. INTRODUÇÃO

Para o bom gerenciamento das atividades empresariais é necessária a utilização de diversas técnicas oriundas das chamadas ciências empresarias: Ciências Contábeis, Ciências Econômicas e Ciências Administrativas, e ainda há outras Ciências, tais como Psicologia e Sociologia que fornecem outros elementos fundamentais para gestão dos negócios.

Porém, atualmente poderíamos dizer que os governantes apoiados pelos empresários escravocratas querem acabar com os Direitos Sociais dos Trabalhadores, assim desprezando a Psicologia e a Sociologia com ciências aplicáveis ao Recursos Humanos (RH). É o que se observa na Política Legislativa e Governamental utilizada para redução dos Direitos Trabalhistas e Previdenciários, culminando com a promulgação da Lei da Terceirização da mão de obra que pode ser contratada na qualidade de MEI - Microempreendedor Individual (Firma Individual ou Empresa Individual = Empresário, segundo o Código Civil de 2002).

Este trabalho na área Contábil, tem como propósito tentar reunir de maneira explicativa as principais ferramentas disponíveis nas Ciências Contábeis para utilização por parte da sociedade de acordo com o nível de necessidade de cada usuário das Demonstrações Contábeis.

Assim, procura-se discorre sobre tais ferramentas agrupando-as de forma a permitir uma melhor visão deste instrumental Contábil auxiliar na tomada de decisões, que poderão ser ajustadas de acordo com as necessidades de cada usuário.

O alcance desse objetivo será materializado, através da descrição da estrutura básica das áreas de especialização em Contabilidade.

Inicialmente para uma descrição sobre essas áreas, faz-se necessário fornecer uma visão ampla da Contabilidade para que se possa saber quando e como delas se utilizar.

Veja também: Elaboração de Balancetes e Balanços

3. PRINCIPAIS ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO DAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS

  1. Contabilidade Geral, Gerencial ou Financeira
  2. Contabilidade de Custos
  3. Controladoria ou Contabilidade Gerencial
  4. Análise de Demonstrações ou Análise de Balanços
  5. Auditoria Contábil

3.1. Contabilidade Geral, GERENCIAL ou Financeira

O objetivo da Contabilidade Geral é coletar os dados das transações econômico-financeiras que afetam o patrimônio da entidade, classificá-los e registrá-los, fornecendo informações condensadas em forma de relatórios.

O profissional habilitado nesta ramificação é geralmente conhecido como o Contador propriamente dito, que poderá estar vinculado a empresa por contrato de trabalho ou prestar serviços como profissional liberal.

A Contabilidade Geral ou Contabilidade Gerencial está voltada para os aspectos internos e externos da empresa.

O produto das informações geradas por esta ramificação é materializado através de relatórios (Livros, Registros e Demonstrativos Contábeis), cada qual com finalidades específicas, quais sejam:

  1. Balanço Patrimonial - Relata os bens, direitos e obrigações da entidade em determinado momento.
  2. Demonstração do Resultado do Exercício - Demonstra as receitas e despesas referentes a dado período de tempo, indicando se houve lucro ou prejuízo.
  3. Demonstração das Mutações do Patrimônio Liquido - Informa as variações ocorridas nas contas dos proprietários.
  4. Demonstração do Fluxo de Caixa.
  5. Demonstração do Valor Adicional
  6. Informações por Segmento

Na condição de bons elementos sobre Governança Corporativa, outros Demonstrativos podem ser utilizados, como:

  1. Demonstração do Lucro Real (Tributável) = Resultado Operacional + Adições - Deduções; Ajustes de Avaliação Patrimonial
  2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados
  3. Notas Explicativas sobre as Demonstrações Contábeis
  4. Relatório do Conselho de Administração
  5. Parecer do Conselho Fiscal
  6. Relatório do Comitê de Auditoria
  7. Relatórios e Parecer dos Auditores Internos e Independentes

Por sua vez, a ABR - Auditoria Baseada em Riscos é efetuada pela Setor de Auditoria Interna ou pelo Compliance Officer (serviço para dar conformidade), preocupa-se, ainda, em atender as exigências legais, fiscais e trabalhistas (Contabilidade Fiscal e Tributária e Contabilidade Social), através da escrituração mercantil, respeitando os princípios de contabilidade.

Neste COSIFE foi utilizada a denominação de Contabilidade Financeira como aquela destinada ao controle do Fluxo de Caixa.

3.2. Contabilidade de Custos

O objetivo da Contabilidade de Custos é fornecer informações sobre a utilização de bens e serviços na produção de outros bens ou serviços no ambiente onde são gerados, direcionados para o fornecimento de subsídios para análise e avaliação do desempenho e da produtividade.

As atividades desta especialização são desenvolvidas por profissionais conhecidos por Contadores de Custos, que através do levantamento e avaliação dos dados, dos bens e serviços envolvidos na produção, utilizam-se de mapas e documentos es específicos cujas informações são condensadas de forma a permitir aos administradores tomada de decisões.

Ver: Contabilidade de Custos e Cálculo do Custos / Volume / Lucro

3.3. Controladoria ou Contabilidade Gerencial

O objetivo da Controladoria está voltada para a aplicação de técnicas sofisticadas de análise dos dados contábeis, gerando subsídios para o planejamento e o controle gerencial de acordo com os propósitos da organização.

No Brasil, o profissional desta área, geralmente habilitado em contabilidade, conhecido por "Controller", é devido a importância de suas atividades, considerado um executivo financeiro a nível de diretoria.

Por estarem voltadas para o aspecto interno da empresa, suas informações são canalizadas através de relatórios gerenciais, normalmente destinados a alta administração.

Ver: Controladoria

3.4. Análise de Demonstrações ou Análise de Balanços

O objetivo da Análise de Balanço é oferecer um diagnóstico sobre a situação econômico-financeira da organização, utilizando-se dos relatórios gerados pela Contabilidade Financeira (Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado, etc...) e de outras informações necessárias á análise, relacionando-se prioritariamente a utilização por parte de terceiros.

O profissional que desenvolve este tipo de atividade, pode ter diversas denominações, quais sejam: Analista de Balanço, Analista Econômico-Financeira, Analista de Crédito, Analista Financeiro etc...

O produto da análise de Balanço é apresentado em forma de relatório, que inclui uma análise da estrutura e composição do patrimônio e um conjunto de índices sobre os quais é formada a conclusão do analista.

As informações da análise de balanços estão voltadas para dentro e fora da empresa.

Ver: 3.5. Análise de Balanços

3.5. Auditoria Contábil

O objetivo básico da Auditoria é formar uma opinião sobre as demonstrações elaboradas pela Contabilidade Financeira, com fim de certifica-se da veracidade das informações ali contidas. O profissional desta área possui formação em Contabilidade e se divide em duas categorias distintas: Auditor Interno e Auditor Externo.

Auditor Interno - profissional que verifica o cumprimento das normas e controles internos e a sua opinião sobre as demonstrações contábeis limita-se afins internos, sedo funcionário da empresa auditada.

Auditor Externo - profissional que não possui vínculo empregatício com a empresa auditada, sendo o direcionamento básico de seus trabalhos voltados para fins externos e internos.

Ver: Auditoria

4. INSTRUMENTOS CONTÁBEIS POR ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO

  1. Contabilidade Geral x Contabilidade Financeira
  2. Contabilidade de Custos
  3. Cálculo do Custos / Volume / Lucro
  4. Controladoria
  5. Análise de Balanços
  6. Auditoria

4.1. Contabilidade GERAL X CONTABILIDADE Financeira

Dentro da Contabilidade Geral também está a Contabilidade de Custos que possui como principais instrumentos auxiliares na tomada de decisões, os seguintes relatórios:

  1. Demonstrações elaboradas com base no conceito do custo histórico corrigido;
  2. Demonstrações elaboradas com base no custo corrente de reposição; e
  3. Demonstrações elaboradas com base no conceito do custo corrente corrigido.

Por intermédio da Contabilidade de Custos é obtido o custo e a consequente lucratividade empresarial, por segmento operacional, por divisão ou setor operacional ou por produto. Também pode ser a rentabilidade do capital investido nos mencionados segmentos operacionais.

Quando foi elaborado o texto original no qual este se baseou, ainda existia no Brasil o sistema de Correção Monetária, depois chamada de Atualização Monetária. Embora a Correção Monetária legalmente utilizada tenha sido extinta a partir de 1996, as NBC - Normas Brasileiras de Contabilidade continuam possibilitando a atualização monetária de Ativos e Passivos de conformidade com o descrito em Ajustes de Avaliação Patrimonial.

Neste COSIFE foi utilizada a denominação de Contabilidade Financeira como aquela destinada ao controle do Fluxo de Caixa.

4.2. Contabilidade de Custos

Além das aplicações descritas item anterior, a Contabilidade de Custos possui como principais instrumentos para auxiliar a administração em suas decisões, os seguintes sistemas:

  1. Sistemas de Custos para avaliação de estoques onde se aplica o custeio por absorção.
  2. Sistemas de Custos para decisão onde se aplica o sistema de custeio direto (sistema pelo qual somente são apropriados aos produtos os custos variáveis, sendo os custos fixos separados e considerados como despesas do período). Este sistema é importante por permitir obter-se um lucro que acompanha sempre a direção das vendas.
  3. Obtenção de margem de contribuição, identificação de custos fixos e cálculo do retorno sobre investimento.
  4. Fixação de preço de venda e a decisão sobre compra da produção.

4.3. Cálculo do Custo / Volume / Lucro

Os Sistemas de Custos ou de Custeamento são utilizados para obtenção e controle dos preços de venda ao consumidor de modo que se possa obter lucratividade por produto e rentabilidade para o capital investido. Dessa forma é possível prever qual seria o volume da produção para que se consiga determinado montante de lucro.

Em tempos passados (em que os sistemas de processamento de dados eram rudimentares porque ainda não existiam os computadores eletrônicos), era aplicado o método de custo padrão corrente que pode ser definido como aquele que a empresa fixa valores como meta para o próximo período, para determinado produto ou serviço. Porém, havendo inflação, esse sistema de custeamento pode gerar significativas diferenças, levando-se em conta as deficiências que possam existir em termos de qualidade de materiais, mão-de-obra, equipamento, fornecimento de energia etc...

Nos dias de hoje, quando os PC (Personnal Computer ou Computador Pessoal) são mais eficientes que os grandes computadores existentes nas década de 1950 a 1970, torna-se mais fácil controlar custos empresariais. Porém, muitas empresas não utilizam sistemas eficientes porque a grande maioria dos programadores são têm formação contábil e por isso não conseguem entender o que seria mais necessário para empresas, inclusive para as micros, pequenas e médias.

Então, em razão do elevado custo dos programas (softwares) para computadores, muitos contadores são obrigados a utilizar o antigo Custo Padrão.

Cálculo do Custo, do Volume e do Lucro é um antigo sistema de apropriação de custos que leva em conta:

  1. Análise de variações físicas e monetárias de materiais e de mão-de-obra, considerando os realmente consumidos.
  2. Análise das variações de custos indiretos de fabricação.

Veja informações complementares em Contabilidade de Custos.

4.4. Controladoria

O sistema de Controladoria (Controller) está ligado ao que neste COSIFE  foi chamado de Contabilidade Gerencial (Gerenciamento das Atividades) que também está ligada à Contabilidade Financeira (gerenciamento do Fluxo de Caixa) e de Contabilidade de Custos (lucratividade e rentabilidade). As principais ferramentas para tomada de decisão são:

a) Orçamento que representa a expressão quantitativa dos planos elaborados para o futuro e subdividi-se em:

  1. Orçamento de vendas;
  2. Orçamento de despesas de administração;
  3. Orçamento de outras despesas;
  4. Orçamento de produção;
  5. Orçamento de mão-de-obra;
  6. Orçamento de compras;
  7. Orçamentos de custos indiretos de produção;
  8. Balanço patrimonial projetado;
  9. Demonstração do resultado projetado.

b) possui relatórios com informações extraídas da contabilidade financeira e de custos, para tomada de decisões, nos quais as informações são rearrumadas e recalculadas com base em critérios específicos (avaliação do estoque pelo método do preço de venda e pelo método do varejo), para tomada de decisões, não se prendendo ás normas legais e fiscais.

4.5. Análise de Balanços

A Análise de Balanço , ao contrário do que muitos dizem, não é um simples cálculo de índices pré-determinados. Ela deve ser muito mais profunda e por isso deve ser realizada por um experiente contador, auditor ou perito contábil.

A Análise de Balanços ou de Demonstrações Contábeis possui como ferramentas básicas para auxiliar a tomadas de decisões:

a) Análise contábil - o objetivo da análise de relatórios e demonstrações compreende a indicação de informações numéricas preferencialmente de dois ou mais períodos de modo a instrumentar os administradores, acionistas e outros interessados em conhecer a situação da empresa e tomar decisões. A estrutura básica subdivide-se em:

  1. análise de estrutura;
  2. análise de evolução;
  3. análise por quocientes;
  4. análise por diferenças absolutas.

b) Análise financeira era tradicionalmente efetuada através de indicadores (índices) financeiros para análise global e a curto prazo, pelos indicadores de velocidade para análise financeira. Mas, como a análise financeira tornou mais importante no decorrente do tempo, a contabilidade financeira especializou-se na análise do Fluxo de Caixa. Em razão disto, em substituição a antiga Demonstração da Origem e Aplicação dos Recursos Financeiros, foram criadas os seguintes Demonstrativos:

  1. Demonstração do Fluxo de Caixa ( Contabilidade Financeira = Disponibilidades, Contas a Receber e a Pagar, Aplicações e Captações Financeiras)
  2. Demonstração do Valor Adicionado (ao Patrimônio na qualidade de Rentabilidade do Capital Investido)
  3. Informações por Segmento (Operacional = Contabilidade de Custos = Receitas, Custos e Despesas = Lucro / Prejuízo = Lucratividade por Produto ou Serviço)

c) Alavancagem financeira - é utilizado para medir o grau de utilização do capital de terceiros e seus efeitos na formação da taxa de retorno do capital próprio. Observe que esse grau de alavancagem pode ser obtido no Fluxo de Caixa, quando se fala em Aplicações e Captações Financeiras.

d) Análise econômica - Mensura a lucratividade, rentabilidade do capital próprio, lucro líquido por ação e o retorno de investimentos operacionais. Veja em Contabilidade de Custos (Informações por Segmento Operacional).

4.6. Auditoria

Possui como ferramentas auxiliares na tomada de decisões pelos administradores:

Parecer de Auditoria - opinião do Auditor, sobre a veracidade ou não das informações contidas nas demonstrações contábeis tomadas em seu conjunto.

Relatórios de Auditoria - Controles Internos, Compliance (ABR - Auditoria Baseada em Riscos) - Descumprimento de dispositivos legais e regulamentares.

Carta de recomendações - relatório onde são descritas todas as falhas de controles, erros e omissões encontradas, bem como suas respectivas sugestões para correção.

5. CONCLUSÃO

A pretensão deste trabalho foi reunir as ferramentas contábeis básicas, consideradas úteis para a gestão empresarial, sem, no entanto, esgotar o potencial da Contabilidade, no intuito de que os usuários das informações por ela produzidas possam tomar conhecimentos, no seu conjunto, da grandeza e extensão do instrumental posto a sua disposição para auxiliá-los decisões negociais.


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.