início > textos Ano XX - 19 de agosto de 2019



QR - Mobile Link
AS ESTATÍSTICAS AJUDANDO NA MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

A MÁSCARA DAS ESTATÍSTICAS E A FARSA DAS PREVISÕES

SUL E SUDESTE PERDERAM PARTICIPAÇÃO NO PIB EM 2010

São Paulo, 01/12/2012 (Revisado em 15-09-2018)

Referências: Farsa das Previsões, Os Números Mágicos São Manipulados, Manipulação de Dados e da Opinião Pública pelos Mercenários da Mídia, a Eletrobras é a Bola da Vez, Cotação das Ações na Bolsa de Valores, Redução do Custo da Energia Elétrica, Fundo de Investimento do Tesouro Nacional, A Incompetência ou a Malandragem do Empresariado força a Estatização da Economia.

AS ESTATÍSTICAS AJUDANDO NA MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

  1. O FRACASSO DA TEORIA NEOLIBERAL
  2. MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA
  3. AS CONSTANTES PREVISÕES DO IMINENTE INSUCESSO BRASILEIRO
  4. O VEXAMINOSO INSUCESSO DAS PREVISÕES
  5. O PARECER DE DELFIM NETO
  6. NEM TODOS OS CONSULTORES ECONÔMICOS PENSAM E AGEM DA MESMA FORMA
  7. OS MERCENÁRIOS DA MÍDIA MANIPULANDO A OPINIÃO PÚBLICA
  8. MANIPULAÇÃO DA COTAÇÃO DAS AÇÕES DA ELETROBRAS
  9. A FALSA PERDA DE VALOR DA ELETROBRAS
  10. AÇÕES DA ELETROBRAS COTADAS POR PREÇO INFERIOR AO SEU VALOR PATRIMONIAL

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFe

1. O FRACASSO DA TEORIA NEOLIBERAL

Se desconsiderarmos a parte do texto anterior, em que se demonstra uma possível teoria da conspiração contrária ao crescimento dos países subdesenvolvidos, os dirigentes do FMI não se cansam de errar e nada aprendem com o fracasso econômico da teoria anárquica neoliberal, aquela da autorregulação dos mercados globalizados, que se processa ao prazer dos megalomaníacos controladores das grandiosas empresas conhecidas como MULTINACIONAIS ou Transnacionais, agora virtualmente escondidas, como se estivessem sediadas em paraísos fiscais.

Veja o texto Como Quebrar uma Empresa. Foi o que aconteceu com as empresas administradas por megalomaníacos executivos, os quais, em grupo, quebraram o mundo idealizado pelos Neoliberais.

Em suma, a Teoria Anárquica Neoliberal é inegavelmente a teoria da Terra sem Lei mostrada nos filmes de faroeste em que o detentor do poderio econômico local impõe ditatorialmente a sua supremacia econômica e bélica até o momento em que aparece um justiceiro.

2. MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

No Brasil, por exemplo, desde 2003 apresentam-se na televisão diversos desses consultores seguidores das crenças impostas pelo FMI, verdadeiros lobistas do grande capital neoliberal, comentando as perspectivas futuras do nosso País, quase sempre negativas se o governante brasileiro não ceder às imposições dos PRIVATAS (os piratas ou corsários beneficiados pelas privatizações das empresas estatais brasileiras).

Veja o texto Conheça os Cinco Vilões do Crescimento do Brasil em que a BBC critica a política econômica adotada no Brasil sem levar em conta que a Inglaterra está falida e o Brasil não. Ao contrário, o Brasil suplantou a Inglaterra em PIB.

Desde aquele ano de 2003 os tais consultores "abalizados" fazem essas rotineiras previsões pessimistas. Mas, contrariando seus números, o Brasil partiu da 15ª posição mundial em PIB - Produto Interno Bruto em 2002 e em 2011 chegou à 6ª posição no cenário internacional.

De país sem reservas monetárias em 2002 (por isso vivia pedindo empréstimos ao FMI), em 2011 o Brasil figurava como o 5º país maior possuidor de reservas monetárias. Isto aconteceu em razão de um novo grito de independência, o "Fora FMI" tão apregoado pelo PSTU, que abriga dissidentes do PT que eram contrários ao pagamento da dívida externa assumida antes de 2003.

3. AS CONSTANTES PREVISÕES DO IMINENTE INSUCESSO BRASILEIRO

Em 2009, logo depois que todo o mundo ficou sabendo que os Estados Unidos tinha chegado ao ápice de sua falência econômica, que se arrastava desde a década de 1970, os mesmos pessimistas de sempre passaram a dizer que em 2010 o Brasil não cresceria, principalmente porque era um ano de eleição presidencial.

Ao contrário das previsões dos falsos "experts", naquele ano de 2010, em razão das medidas econômicas capitaneadas por Guido Mantega, o Brasil bateu recorde de crescimento e, talvez por este e outros motivos, Lula foi reeleito.

Insatisfeitos com o sucesso da equipe econômica do torneiro mecânico sindicalista, seus opositores (os representantes do grande capital), faziam discursos enraivecidos. Diziam que o presidente não sabia falar.

Porém, aumentando a ira de seus opositores, o torneiro mecânico conseguia convencer a grande massa trabalhadora em parte descendente dos antigos escravos da oligarquia brasileira.

Assim, o Presidente da República empossado em 2003 tornou-se o primeiro "populista" que não era fazendeiro ou empresário.

4. O VEXAMINOSO INSUCESSO DAS PREVISÕES

Diante de tais fracassos nas previsões, poderíamos dizer que todas elas eram meros chutes, nada tendo de lógicas, técnicas ou científicas. Foi exatamente isto o que demonstrou em seu livro o reputado professor catedrático de economia na Universidade de Toulouse no início da década de 1990.

A tendenciosidade das previsões acontecia porque os consultores econômicos apenas expressavam o que era interessante para seus mesquinhos patrões, sem levar em conta os verdadeiros fundamentos econômicos, principalmente quanto ao motivo da existência dos Estados como nações politicamente organizadas.

Os consultores econômicos apenas faziam aquilo que os neoliberais os mandavam fazer. Tdos sabem que os neoliberais anarquistas são contrários a qualquer intervenção governamental na economia. E, por adotarem essa forma de desgoverno, sem controle da economia, os tradicionais países desenvolvidos faliram.

5. O PARECER DE DELFIM NETO

Aliás, Delfim Neto disse praticamente o mesmo que o aqui escrito no final do ano de 2010 numa de suas participações no programa Canal Livre, levado ao ar nas noites de domingo pela TV Bandeirantes. Disse que seus colegas de profissão sempre erram porque se arvoram em fazer previsões, baseadas em estatísticas.

Mas, traduzindo ou dando a verdadeira versão ao que realmente queria dizer o mestre Delfim, poderíamos afirmar que seus colegas de profissão nunca acertam as previsões porque quase sempre são tendenciosos.

Tais previsões sempre defendem os interesses dos neoliberais que são totalmente contrários a qualquer tipo de controle governamental da economia. Os neoliberais sempre defendem a autorregulação dos mercados pelos detentores do poderio econômico, obviamente contrária aos interesses dos eleitores que escolhem os governantes e os políticos para que defendam os interesses da coletividade.

Porém, os falsos representantes do povo sempre fazem o contrário do foi prometido a seus eleitores durante as suas campanhas políticas e eleitoreiras.

6. NEM TODOS OS CONSULTORES ECONÔMICOS PENSAM E AGEM DA MESMA FORMA

É importante notar que os consultores econômicos esquerdistas geralmente não fazem previsões. Eles não são bestas. Apenas dizem que nenhum país prosperará sem o perfeito controle da economia por seus respectivos governantes, que democraticamente devem agir em nome do povo e não apenas em benefício do grande capital.

Essa é a velha teoria de Keynes. Os empreendimentos privados devem ser controlados pelos governos de forma que não se afastem das diretrizes básicas e necessárias ao sucesso dos planos plurianuais de desenvolvimento nacional.

Sem um governo central (federal), voltaríamos ao regime feudal em que cada capitalista (o senhor feudal) faz as suas próprias leis e mantêm os seus próprios exércitos paramilitares. Por isso existiram tantas guerras no mundo e continuam existindo em razão da cobiça e do desejo de acumular capital a qualquer custo, sempre em detrimento do povo.

Então, o enérgico controle estatal passa a ser totalmente contrário aos ideais defendidos pelos neoliberais que se baseiam na livre iniciativa sem governo (sem controle), mesmo que tais ideais sejam contrários aos interesses nacionais, da coletividade.

Os países desenvolvidos chegaram a bancarrota exatamente em razão da ausência desses controles que deviam ser exercidos pelo governo para que todas as empresas agissem em prol do bem comum, do País, da Nação, e não somente visando os mesquinhos interesses dos controladores de grandes Grupos Empresariais.

Veja explicações complementares no texto Volta Keynes, Estás Perdoado (de 2002) e em A Lição Democrática da Islândia (de 2012).

7. OS MERCENÁRIOS DA MÍDIA MANIPULANDO A OPINIÃO PÚBLICA

As tendenciosas previsões propagadas pelos meios de comunicação, vulgarmente chamados de MÍDIA (na realidade mercenários da mídia), são feitas pelos conhecidos ortodoxos que tentam disseminar o esperado por seus patrões.

E essas tendenciosas previsões são sempre negativas quando o governante não pertence às fileiras partidárias dos extremistas de direta, os neoliberais anarquistas.

Os consultores com suas previsões tentam influenciar a opinião pública para que cobrem medidas governamentais em benefício do grande empresariado, obviamente em detrimento do próprio eleitorado.

Identicamente é feito quando os especuladores querem influenciar as cotações nas bolsas de valores. Por intermédio dos mercenários da mídia, os especuladores passam a espalhar boatos de que o momento é bom para comprar ou para vender.

Regiamente pagos, os locutores da imprensa falada e televisada sempre aconselham o inverso do que praticam seus corruptores. E os incautos perdem porque os especuladores manipulam as cotações e, consequentemente, as estatísticas.

8. MANIPULAÇÃO DA COTAÇÃO DAS AÇÕES DA ELETROBRAS

Em 2012, por exemplo, quando o governo pressionou os PRIVATAS do setor de energia elétrica, imediatamente os especuladores passaram a manipular para baixo as cotações das ações da ELETROBRAS para que a opinião pública acreditasse que os investidores nacionais e internacionais estavam descontentes com as medidas adotadas pelo governo brasileiro.

Então, pergunta-se:

- Estando na bancarrota os países desenvolvidos e enfrentando recessão, onde mais poderão empregar seu dinheiro os investidores internacionais com mais segurança que no Brasil?

Considerando-se que as ações da Eletrobras ficaram cotadas na Bolsa de Valores por preço inferior ao seu valor patrimonial, obviamente o governo brasileiro deve ter recomprado as referidas ações por intermédio do Credit Suisse (a imprensa brasileira noticiou que o mencionado banco estava comprando). Ou seja, mais uma vez "o tiro saiu pela culatra". Desta vez, parece que os manipuladores das cotações deram-se mal.

9. A FALSA PERDA DE VALOR DA ELETROBRAS

Diante da enorme queda da cotação das ações da Eletrobras, os jornais, tentando iludir a opinião pública a pedido dos especuladores, passam a dizer que a estatal perdeu seu valor de mercado para que os pequenos acionistas vendam suas posições. O mesmo já aconteceu em outras épocas e com outras empresas estatais e privadas.

Na verdade só perde o acionista que vende suas ações compradas por valor superior ao atual praticado no pregão das Bolsas de Valores. Aquele acionista que continuar com as ações nada perderá. Pelo contrário, pode até ganhar mais se comprar mais ações por preço baixo.

Exemplo: Se um acionista possui um lote de ações adquiridas R$ 26,00 reais cada uma e se agora na baixa comprar idêntico lote a R$ 6,00 cada uma, ficará com o preço médio de R$ 16,00 por ação. Se no lugar de um lote comprar três lotes a R$ 6,00 ficará com o preço médio de R$ 11,00. Então, quando o preço chegar a R$ 12,00 já estará lucrando.

Para conseguir o dinheiro necessário à compra das ações, talvez para o acionista seja interessante conseguir um empréstimo bancário com caução das ações possuídas ou vender seu luxuoso carro (entre outros bens supérfluos) ou ainda vender ações de outras empresas de sua posição que estejam contadas por preço superior ao seu valor patrimonial.

É o que faz o especulador.

10. AÇÕES DA ELETROBRAS COTADAS POR PREÇO INFERIOR AO SEU VALOR PATRIMONIAL

Aproveitando a baixa cotação das ações da Eletrobras no pregão da Bolsa de Valores, bem inferior ao seu valor patrimonial, o governo brasileiro teria grande interesse em adquiri-las.

É o que faz todo acionista controlador de empresas privadas de capital aberto. É o que também faz o especulador que sempre compra na baixa para vender na alta para os incautos investidores.

Diante do exposto, especialmente no que se refere ao interesse do governo brasileiro em comprar as ações da Eletrobras por preço baixo, torna-se necessário mais uma vez alertar o leitor sobre o contido em dois textos publicados pelo COSIFe.

Neles é explicado como o Tesouro Nacional (brasileiro) pode comprar ações de empresas que sejam importantes à soberania nacional sem que o Brasil seja identificado como comprador. Veja em:

PRÓXIMO TEXTO: IBGE 2012: REGIÃO NORTE AUMENTA PARTICIPAÇÃO NO PIB NACIONAL


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.