início > cursos Ano XX - 20 de outubro de 2018



QR - Mobile Link
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS E DE APROPRIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS = ANÁLISE BALANÇOS

ANÁLISE DA SITUAÇÃO LÍQUIDA PATRIMONIAL, DO CAPITAL DE GIRO E DE LIMITES DE RISCOS OPERACIONAIS (Revisada em 08-09-2017)

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS E DE APROPRIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

Veja também:

Basicamente os critérios enunciados a seguir são os mesmos, porém, colocados de forma diferente e acabam se completando.

Critérios de Avaliação e de Apropriação, Segundo as NBC

Os critérios básicos que norteiam a avaliação patrimonial das ENTIDADES (ativos e passivos e os de apropriação de receitas e despesas) estão nos PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE e nos comentários expedidos pelo CFC, os quais podem ser obtidos através das referências (links) contidas nos Princípios de Contabilidade.

O princípio básico que norteia a apropriação de receitas e despesas é o Princípio da Competência. Sobre ele foi feito um trabalho intitulado Regime de Competência, onde está um arrazoado com as normas expedidas pelo CFC - Conselho Federal de Contabilidade, pela Lei das Sociedades por Ações, pelo Regulamento do Imposto de Renda e pela Normas do Banco Central do Brasil.

Os critérios de avaliação de ativos e passivos pode ser depreendidos a partir da leitura dos demais princípios fundamentais de contabilidade.

Veja as NBC - Normas Brasileiras de Contabilidade que a partir de 2010 passaram a nortear toda a Avaliação Patrimonial. Veja também o texto sobre os AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL que discorre sobre as alterações promovidas na Lei das S/A (Lei 6.404/1976) a partir do ano de 2007.

Critérios de Avaliação e de Apropriação, Segundo a Lei das Sociedades por Ações

O critérios básicos de apropriação de receitas e despesas estão no art. 187 da Lei 6.404/1976, especialmente no § 1º, onde se lê:

Na determinação do resultado do exercício serão computados:

a) - as receitas e os rendimentos ganhos no período, independentemente da sua realização em moeda; e;

b) - os custos, despesas, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos.

Os gastos incorridos obviamente são aqueles lançados pelo regime de competência nas "contas de resultados devedoras" em contrapartida com "contas a pagar".

Critérios de Avaliação e de Apropriação, Segundo o RIR/99

O regulamento do imposto de renda menciona que as "Demonstrações Financeiras" (na realidade Demonstrações Contábeis) devem ser elaboradas de conformidade com a legislação comercial (e obviamente com base nas NBC, que não cita), observado o regime de competência (art. 273) e a Lei  6.404/1976 (§ 1º do art. 274). Veja também os Princípios de Contabilidade.

Mas, assim como a Lei de Sonegação Fiscal (art 1º da Lei 4.729/1965), o RIR/99 também cita as penalidade pela falsificação material e ideológica da escrituração, que é mencionada no tópico relativo à análise das receitas e despesas a seguir.

Sobre os critérios de avaliação a apropriação, além da inobservância do regime de competência, cita a Lei das Sociedades por Ações (Capítulo XV - art. 175 e seguintes) como parâmetro. Mas, estabelece critérios para avaliação dos estoques.

Critérios de Avaliação e Apropriação, Segundo o Banco Central do Brasil

O Banco Central do Brasil estabelece em especial critérios de avaliação e apropriação de receitas e despesas com títulos de renda fixa e variável, distinguido os títulos de própria emissão das instituições do SFN (COSIF 1.1.10 - Critérios de Avaliação e Apropriação Contábil) dos títulos emitidos por terceiros (COSIF 1.4 - Operações Interfinanceiras de Liquidez e com Títulos e Valores Mobiliários)


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.