início > contabilidade Ano XXI - 9 de dezembro de 2019



QR - Mobile Link
INCORPORAÇÃO DE DESPESAS AO CUSTO DO OURO

COSIF - Plano Contábil das Instituições do SFN
COSIF 1 - Normas Básicas
COSIF 1.3 -
Disponibilidades
COSIF 1.3.3 - Aplicações em Ouro
(Revisado em 17-04-2019)

NOTA 1.3.3.4: INCORPORAÇÃO DE DESPESAS AO CUSTO DO OURO

LIMITES DE EXPOSIÇÃO:

Ver a  Circular BCB 3.641/2013 - Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições em ouro, em moeda estrangeira e em ativos sujeitos à variação cambial cujo requerimento de capital é calculado mediante abordagem padronizada (RWACAM), de que trata a Resolução CMN 4.193/2013, que dispõe sobre apuração dos requerimentos mínimos de Patrimônio de Referência (PR), de Nível I e de Capital Principal e institui o Adicional de Capital Principal.

COMENTÁRIO SOBRE A INCORPORAÇÃO DE DESPESAS AO CUSTO DO OURO

Neste item o Banco Central determina que diversas despesas sejam agregadas ao custo do ouro.

Porém, podemos ver que na prática todo esse zelo será anulado por ocasião do primeiro balancete, quando o metal em estoque será avaliado pelo preço fornecido pelo próprio BACEN e que corresponde aproximadamente ao preço de mercado, que não inclui as citadas despesas.

Assim sendo, por ocasião dos balancetes mensais ou dos balanços semestrais, os referidos gastos serão compensados com a mais valia no preço do metal (reduzindo a receita a ser contabilizada) ou somado a menor valia do metal (aumentado consequentemente as despesas).

Portanto, a determinação do COSIF torna-se inócua, já que, ao final do mês em que foi adquirido o ouro, tais encargos viram despesas, o que já poderia ser feito no momento da aquisição sem a utilização da conta “APLICAÇÕES EM OURO”.


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.