início > legislação Ano XXI - 13 de dezembro de 2019



QR - Mobile Link
RIR/2018 - LIVRO IV - TÍTULO II - CAPÍTULO I - DO PAGAMENTO DO IMPOSTO SOBRE A RENDA

REGULAMENTO DO IMPOSTO DE RENDA - RIR/2018

DECRETO 9.580, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2018

LIVRO IV - DA ADMINISTRAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE A RENDA (do art. 890 ao art. 1050)

TÍTULO II - DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO (Artigos 915 ao 948)

CAPÍTULO I - DO PAGAMENTO DO IMPOSTO SOBRE A RENDA (Artigos 915 ao 939) (Revisada em 23-09-2019)

  • Seção I - Das pessoas físicas (Artigos 915 ao 918)
    • Recolhimento mensal, ganho de capital e ganhos nos mercados de renda variável (Art. 915)
    • Residente no exterior (Art. 916)
    • Declaração de rendimentos (Art. 917)
    • Saída definitiva do País e espólio (Art. 918)
  • Seção II - Das pessoas jurídicas (Artigos 919 ao 929)
    • Subseção I - Dos prazos de pagamento (Artigos 919 ao 927)
      • Imposto sobre a renda correspondente a período trimestral (Art. 919)
      • Recolhimento do incentivo fiscal (Art. 920)
      • Pagamento por estimativa mensal (Art. 921)
      • Saldo do imposto sobre a renda anual (Art. 922)
      • Imposto sobre os ganhos nos mercados de renda variável (Art. 923)
      • Incorporação, fusão, cisão e encerramento de atividades (Art. 924)
      • Investimento em controlada, filial ou sucursal domiciliada no exterior (Artigos 925 ao 927)
    • Subseção II - Do vencimento antecipado (Artigos 928 ao 929)
      • Falência (Art. 928)
      • Extinção da pessoa jurídica (Art. 929)
  • Seção III - Disposições especiais quanto ao imposto sobre a renda na fonte (Artigos 930 ao 933)
    • Prazos de recolhimento (Art. 930)
    • Débitos com exigibilidade suspensa por medida judicial (Art. 931)
    • Recolhimento centralizado (Art. 932)
    • Imposto sobre a renda retido pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios (Art. 933)
  • Seção IV - Disposições comuns (Artigos 934 ao 939)
    • Subseção I - Dos meios de pagamento (Artigos 934 ao 936)
      • Pagamentos efetuados em dinheiro ou em cheque (Art. 934)
      • Pagamentos efetuados com títulos federais (Art. 935)
      • Pagamentos efetuados em débito em conta corrente bancária (Art. 936)
    • Subseção II - Do lugar de pagamento (Art. 937)
    • Subseção III - Do documento de arrecadação do imposto sobre a renda (Art. 938)
    • Subseção IV - Da utilização de precatório federal para amortizar dívida consolidada (Art. 939)

Seção I - Das pessoas físicas (Artigos 915 ao 918)

Recolhimento mensal, ganho de capital e ganhos nos mercados de renda variável

Art. 915. O imposto sobre a renda apurado na forma prevista nos art. 122 , art. 153 e art. 839 deverá ser pago até o último dia útil do mês subsequente àquele em que os rendimentos ou os ganhos forem percebidos ( Lei 8.383, de 1991, art. 6º, caput, inciso II , e art. 52, § 1º e § 2º; e Lei 8.981, de 1995, art. 21, § 1º).

Residente no exterior

Art. 916. Na hipótese de o beneficiário do rendimento ou do ganho de capital ser residente no exterior, o pagamento do imposto sobre a renda deverá ser efetuado na data da remessa, se esta ocorrer anteriormente ao prazo de vencimento do imposto sobre a renda, na forma prevista no art. 931 ( Lei 7.713, de 1988, art. 33, parágrafo único ).

Declaração de rendimentos

Art. 917. À opção do contribuinte, o saldo do imposto sobre a renda a pagar, de que trata o art. 81 , poderá ser parcelado em até oito quotas iguais, mensais e sucessivas, observado o seguinte ( Lei 9.250, de 1995, art. 14; e Lei 9.430, de 1996, art. 62, caput ):

I - nenhuma quota será inferior a cinquenta reais e o imposto sobre a renda de valor inferior a cem reais será pago de uma só vez;

II - a primeira quota deverá ser paga no mês fixado para a entrega da declaração de rendimentos;

III - as demais quotas, acrescidas de juros equivalentes à taxa Selic para títulos federais, acumulada mensalmente, a partir do primeiro dia do mês subsequente ao previsto para a entrega tempestiva da declaração de rendimentos até o mês anterior ao pagamento, e de um por cento no mês do pagamento, vencerão no último dia útil de cada mês; e

IV - fica facultado ao contribuinte antecipar, total ou parcialmente, o pagamento do imposto sobre a renda ou das quotas.

Saída definitiva do País e espólio

Art. 918. O pagamento do imposto sobre a renda nas hipóteses de saída definitiva do País e de encerramento de espólio deverá ser efetuado na data prevista para a entrega da respectiva declaração de rendimentos (Lei 8.218, de 1991, art. 29).

Parágrafo único. São considerados vencidos, na data a que se refere o caput , os prazos para pagamento dos débitos existentes.

Seção II - Das pessoas jurídicas (Artigos 919 ao 929)

  • Subseção I - Dos prazos de pagamento (Artigos 919 ao 927)
    • Imposto sobre a renda correspondente a período trimestral (Art. 919)
    • Recolhimento do incentivo fiscal (Art. 920)
    • Pagamento por estimativa mensal (Art. 921)
    • Saldo do imposto sobre a renda anual (Art. 922)
    • Imposto sobre os ganhos nos mercados de renda variável (Art. 923)
    • Incorporação, fusão, cisão e encerramento de atividades (Art. 924)
    • Investimento em controlada, filial ou sucursal domiciliada no exterior (Artigos 925 ao 927)
  • Subseção II - Do vencimento antecipado (Artigos 928 ao 929)
    • Falência (Art. 928)
    • Extinção da pessoa jurídica (Art. 928)

Subseção I - Dos prazos de pagamento (Artigos 919 ao 927)

Imposto sobre a renda correspondente a período trimestral

Art. 919. O imposto sobre a renda devido, apurado na forma prevista no art. 217 , será pago em quota única, até o último dia útil do mês subsequente ao do encerramento do período de apuração ( Lei 9.430, de 1996, art. 5º, caput ).

§ 1º À opção da pessoa jurídica, o imposto sobre a renda devido poderá ser pago em até três quotas mensais, iguais e sucessivas, vencíveis no último dia útil dos três meses subsequentes ao de encerramento do período de apuração a que corresponder ( Lei 9.430, de 1996, art. 5º, § 1º ).

§ 2º Nenhuma quota poderá ter valor inferior a R$ 1.000,00 (um mil reais) e o imposto sobre a renda de valor inferior a R$ 2.000,00 (dois mil reais) será pago em quota única, até o último dia útil do mês subsequente ao do encerramento do período de apuração ( Lei 9.430, de 1996, art. 5º, § 2º ).

§ 3º As quotas do imposto sobre a renda serão acrescidas de juros equivalentes à taxa Selic , para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do primeiro dia do segundo mês subsequente ao do encerramento do período de apuração até o último dia do mês anterior ao do pagamento e de um por cento no mês do pagamento ( Lei 9.430, de 1996, art. 5º, § 3º ).

Recolhimento do incentivo fiscal (Art. 920)

Art. 920. A pessoa jurídica que optar pelas deduções de que tratam os art. 658 e art. 660 recolherá o valor correspondente a cada parcela ou ao total do desconto, às agências bancárias arrecadadoras, por meio do documento de arrecadação a que se refere o art. 938 , com código específico e indicação dos fundos de investimentos beneficiários (Lei 8.167, de 1991, art. 3º, caput).

Parágrafo único. O recolhimento das parcelas correspondentes ao incentivo ficará condicionado ao pagamento da parcela do imposto sobre a renda, exceto nas hipóteses em que o imposto sobre a renda já tenha sido recolhido antecipadamente (Lei 8.167, de 1991, art. 3º, § 4º).

Pagamento por estimativa mensal (Art. 921)

Art. 921. O imposto sobre a renda devido, apurado na forma prevista no art. 219 , deverá ser pago até o último dia útil do mês subsequente àquele a que se referir ( Lei 9.430, de 1996, art. 6º, caput ).

Saldo do imposto sobre a renda anual (Art. 922)

Art. 922. O saldo do imposto sobre a renda apurado em 31 de dezembro será ( Lei 9.430, de 1996, art. 6º, § 1º, incisos I e II ):

I - se positivo, pago em quota única, até o último dia útil do mês de março do ano subsequente, observado o disposto no § 1º; ou

II - se negativo, restituído ou compensado com o imposto sobre a renda devido a partir do ano-calendário subsequente ao do encerramento do período de apuração, acrescido de juros equivalentes à taxa Selic para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao do encerramento do período de apuração até o mês anterior ao da restituição ou da compensação e de um por cento relativamente ao mês em que for efetuada.

§ 1º O saldo do imposto sobre a renda a pagar de que trata o inciso I do caput será acrescido de juros calculados à taxa Selic, para títulos federais, a partir de 1º de fevereiro até o último dia do mês anterior ao do pagamento e de um por cento no mês do pagamento ( Lei 9.430, de 1996, art. 6º, § 2º).

§ 2º O prazo a que se refere o inciso I do caput não se aplica ao imposto sobre a renda relativo ao mês de dezembro, que deverá ser pago até o último dia útil do mês de janeiro do ano subsequente ( Lei 9.430, de 1996, art. 6º, § 3º ).

Imposto sobre os ganhos nos mercados de renda variável (Art. 923)

Art. 923. O imposto sobre a renda apurado mensalmente sobre os ganhos líquidos de que trata o art. 839 será pago até o último dia útil do mês subsequente àquele em que os ganhos houverem sido percebidos ( Lei 8.383, de 1991, art. 52, § 2º ).

Incorporação, fusão, cisão e encerramento de atividades (Art. 924)

Art. 924. O pagamento do imposto sobre a renda correspondente a período de apuração encerrado em decorrência de incorporação, fusão ou cisão e de extinção da pessoa jurídica pelo encerramento da liquidação deverá ser efetuado até o último dia útil do mês subsequente ao da ocorrência do evento, hipótese em que não é facultado exercer a opção prevista no § 1º do art. 919 (Lei 9.430, de 1996, art. 5º, § 4º ).

Investimento em controlada, filial ou sucursal domiciliada no exterior (Artigos 925 ao 927)

Art. 925. À opção da pessoa jurídica, o imposto sobre a renda devido decorrente do resultado considerado na apuração da pessoa jurídica domiciliada no País, na forma prevista no art. 448 ao art. 451 e no art. 453 , poderá ser pago na proporção dos lucros distribuídos nos anos subsequentes ao encerramento do período de apuração a que corresponder, observado o oitavo ano subsequente ao período de apuração para a distribuição do saldo remanescente dos lucros ainda não oferecidos à tributação, assim como a distribuição mínima de doze inteiros e cinquenta centésimos por cento no primeiro ano subsequente (Lei 12.973, de 2014, art. 90, caput ).

§ 1º Na hipótese de infração ao disposto no art. 926 , será aplicada multa isolada de setenta e cinco por cento sobre o valor do tributo declarado ( Lei 12.973, de 2014, art. 90, § 1º ).

§ 2º A opção, a que se refere este artigo, aplica-se, exclusivamente, ao valor informado pela pessoa jurídica domiciliada no País em declaração que represente confissão de dívida e constituição do crédito tributário, relativa ao período de apuração dos resultados no exterior, na forma estabelecida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil do Ministério da Fazenda ( Lei 12.973, de 2014, art. 90, § 2º ).

§ 3º Na hipótese de fusão, cisão, incorporação, encerramento de atividade ou liquidação da pessoa jurídica domiciliada no País, o pagamento do tributo deverá ser feito até a data do evento ou da extinção da pessoa jurídica, conforme o caso ( Lei 12.973, de 2014, art. 90, § 3º ).

§ 4º O valor do pagamento, a partir do segundo ano subsequente, será acrescido de juros calculados com base na taxa Libor , para depósitos em dólares dos Estados Unidos da América pelo prazo de doze meses, referente ao último dia útil do mês civil imediatamente anterior ao vencimento, acrescida da variação cambial dessa moeda, definida pelo Banco Central do Brasil, pro rata tempore , acumulados anualmente, calculados na forma definida em ato do Poder Executivo federal, hipótese em que os juros serão dedutíveis na apuração do lucro real ( Lei 12.973, de 2014, art. 90, § 4º ).

Art. 926. A opção pelo pagamento do imposto sobre a renda, na forma prevista no art. 925 , poderá ser realizada somente em relação à parcela dos lucros decorrentes dos resultados considerados na apuração da pessoa jurídica domiciliada no País de controlada, direta ou indireta, no exterior ( Lei 12.973, de 2014, art. 91 ):

I - não sujeita a regime de subtributação;

II - não localizada em país ou dependência com tributação favorecida ou não beneficiária de regime fiscal privilegiado, de que tratam os art. 254 e art. 255;

III - não controlada, direta ou indiretamente, por pessoa jurídica submetida ao tratamento tributário previsto no inciso II do caput ; e

IV - que tenha renda ativa própria igual ou superior oitenta por cento da sua renda total, conforme definido no art. 455.

Art. 927. O disposto nos art. 925 e art. 926 aplica-se ao resultado obtido por filial ou sucursal no exterior ( Lei 12.973, de 2014, art. 92 ).

Subseção II - Do vencimento antecipado (Artigos 928 ao 929)

Falência (Art. 928)

Art. 928. São considerados vencidos todos os prazos para pagamento, nas hipóteses de falência, para os quais é providenciada imediatamente a cobrança judicial da dívida, observado o disposto no art. 1.033 ( Decreto-Lei 5.844, de 1943, art. 94; e Lei 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, art. 77).

Extinção da pessoa jurídica (Art. 929)

Art. 929. Na hipótese de extinção da pessoa jurídica sem sucessor serão considerados vencidos todos os prazos para pagamento.

Seção III - Disposições especiais quanto ao imposto sobre a renda na fonte (Artigos 930 ao 933)

Prazos de recolhimento (Art. 930)

Art. 930. O recolhimento do imposto sobre a renda retido na fonte deverá ser efetuado (Lei 11.196, de 2005, art. 70, caput, inciso I) :

I - na data da ocorrência do fato gerador, na hipótese de:

a) rendimentos atribuídos a residentes ou domiciliados no exterior; e

b) pagamentos a beneficiários não identificados;

II - até o terceiro dia útil subsequente ao decêndio de ocorrência dos fatos geradores, na hipótese de:

a) juros sobre o capital próprio e aplicações financeiras, inclusive aqueles atribuídos a residentes ou domiciliados no exterior, e títulos de capitalização;

b) prêmios, inclusive aqueles distribuídos sob a forma de bens e serviços, obtidos em concursos e sorteios de qualquer espécie e lucros decorrentes desses prêmios; e

c) multa ou qualquer vantagem de que trata o art. 70 da Lei 9.430, de 1996;

III - até o último dia útil do mês subsequente ao encerramento do período de apuração, na hipótese de rendimentos e ganhos de capital distribuídos pelos fundos de investimento imobiliário;

IV - até o sétimo dia do mês subsequente ao mês de ocorrência dos fatos geradores, na hipótese de pagamento de rendimentos provenientes do trabalho assalariado a empregado doméstico; e

V- até o último dia útil do segundo decêndio do mês subsequente ao mês de ocorrência dos fatos geradores, nas demais hipóteses.

Débitos com exigibilidade suspensa por medida judicial (Art. 931)

Art. 931. Na hipótese em que o imposto sobre a renda incidente na fonte como antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual da pessoa física ou em relação ao período de apuração da pessoa jurídica não for retido e recolhido pelos responsáveis tributários por força de liminar em mandado de segurança ou em ação cautelar, de tutela antecipada em ação de outra natureza, ou de decisão de mérito, posteriormente revogadas, o beneficiário, pessoa física ou jurídica, ficará sujeita ao pagamento ( Medida Provisória 2.158-35, de 2001, art. 55 ):

I - de juros de mora, incorridos desde a data do vencimento originário da obrigação; e

II - de multa de mora ou de ofício, a partir do trigésimo dia subsequente ao de revogação da medida judicial.

§ 1º Os acréscimos referidos nos incisos I e II do caput incidirão sobre o imposto sobre a renda não retido nas condições referidas no caput .

§ 2º O disposto neste artigo:

I - não exclui a incidência do imposto sobre a renda sobre os rendimentos, na forma estabelecida pela legislação do referido imposto; e

II - aplica-se em relação às ações impetradas a partir de 1º de maio de 2001.

Recolhimento centralizado (Art. 932)

Art. 932. Será efetuado, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica, o recolhimento do imposto sobre a renda retido na fonte sobre quaisquer rendimentos (Lei 9.779, de 1999, art. 15, caput, inciso I).

Parágrafo único. Na hipótese de pessoa jurídica com sede no exterior, a centralização deverá ser efetuada no estabelecimento em nome do qual foi apresentada a Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (Decreto 2.078, de 22 de novembro de 1996, art. 1º, § 2º).

Imposto sobre a renda retido pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios (Art. 933)

Art. 933. Pertence aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios o produto da arrecadação do imposto sobre a renda incidente na fonte sobre os proventos dos seus servidores pagos, a qualquer título, por eles, pelas suas autarquias e pelas fundações que instituírem e mantiverem ( Constituição, art. 157, caput, inciso I , e art. 158, caput, inciso I; e Lei 5.172, de 1966 - Código Tributário Nacional, art. 85, caput, inciso II ).

Seção IV - Disposições comuns (Artigos 934 ao 939)

Subseção I - Dos meios de pagamento (Artigos 934 ao 936)

Pagamentos efetuados em dinheiro ou em cheque (Art. 934)

Art. 934. O pagamento ou o recolhimento do imposto sobre a renda será feito em dinheiro ou em cheque ( Decreto-Lei 5.844, de 1943, art. 87 ).

Pagamentos efetuados com títulos federais (Art. 935)

Art. 935. A partir da data de seu vencimento, os títulos da dívida pública terão poder liberatório para pagamento de qualquer tributo federal, de responsabilidade de seus titulares ou de terceiros, pelo seu valor de resgate (Lei 4.357, de 1964, art. 1º, § 4º; Decreto-Lei 2.284, de 10 de março de 1986, art. 6º; Lei 7.777, de 19 de junho de 1989, art. 5º, § 4º; e Lei 10.179, de 2001, art. 2º e art. 6º).

Pagamentos efetuados em débito em conta corrente bancária (Art. 936)

Art. 936. O Ministro de Estado da Fazenda poderá editar os atos necessários para disciplinar sobre o cumprimento das obrigações tributárias principais, por meio de débito em conta corrente bancária (Lei 8.541, de 1992, art. 54).

Subseção II - Do lugar de pagamento (Art. 937)

Art. 937. O pagamento ou o recolhimento do imposto sobre a renda poderá ser efetuado em qualquer estabelecimento bancário autorizado a receber receitas federais, independentemente do domicílio tributário do sujeito passivo (Lei 7.738, de 9 de março de 1989, art. 32).

Subseção III - Do documento de arrecadação do imposto sobre a renda (Art. 938)

Art. 938. O documento de arrecadação obedecerá ao modelo aprovado pela Secretaria da Receita Federal do Brasil do Ministério da Fazenda e a sua utilização pelo contribuinte, pelo procurador ou pela fonte pagadora será feita de acordo com instruções específicas (Lei 7.738, de 1989, art. 32).

§ 1º Nos documentos de arrecadação, o contribuinte ou a fonte pagadora indicará o código da receita, o número de inscrição no CPF ou no CNPJ, conforme o caso, além de outros elementos qualificativos ou informativos.

§ 2º Quando se tratar de contribuinte residente ou domiciliado no exterior, será indicado o número de inscrição no CPF ou no CNPJ do procurador ou da fonte.

§ 3º É permitida a quitação do débito fiscal por meio de recibo por processo mecânico, desde que fiquem assegurados, pela autenticação do documento, os requisitos essenciais à fixação de responsabilidades.

§ 4º É vedada a utilização de DARF para o pagamento de imposto sobre a renda de valor inferior a R$ 10,00 (dez reais) ( Lei 9.430, de 1996, art. 68, caput ).

§ 5º O imposto sobre a renda arrecadado sob determinado código de receita, que, no período de apuração, resultar em valor inferior a R$ 10,00 (dez reais), deverá ser adicionado ao imposto sobre a renda do mesmo código, correspondente aos períodos subsequentes, até que o total seja igual ou superior a R$ 10,00 (dez reais), quando, então, será pago ou recolhido no prazo estabelecido na legislação para esse último período de apuração ( Lei 9.430, de 1996, art. 68, § 1º ).

§ 6º O Poder Executivo federal poderá elevar para até R$ 100,00 (cem reais) os limites de que tratam os § 4º e § 5º, inclusive de forma diferenciada por regime de tributação ou de incidência, relativos à utilização do DARF, e poderá reduzir ou restabelecer os limites que vier a fixar ( Lei 9.430, de 1996, art. 68-A ).

Subseção IV - Da utilização de precatório federal para amortizar dívida consolidada (Art. 939)

Art. 939. O precatório federal de titularidade do devedor, inclusive aquele expedido anteriormente à Emenda Constitucional 62, de 9 de dezembro de 2009 , poderá ser utilizado, nos termos estabelecidos no art. 7º da Lei 11.941, de 2009 , para amortizar a dívida consolidada (Lei 12.431, de 2011, art. 43, caput ).

§ 1º O disposto no caput aplica-se ao precatório federal de titularidade de pessoa jurídica que, em 31 de dezembro de 2012, seja considerada controladora, controlada, direta ou indireta, ou coligada do devedor, observado o disposto no art. 1.097 ao art. 1.099 da Lei 10.406, de 2002 - Código Civil (Lei 12.431, de 2011, art. 43, § 1º).

§ 2º Para fins do disposto no § 1º, considera-se também como controlada a sociedade na qual a participação da controladora seja igual ou inferior a cinquenta por cento, desde que exista acordo de acionistas que assegure, de modo permanente, a preponderância individual ou comum nas deliberações sociais, assim como o poder individual ou comum de eleger a maioria dos administradores (Lei 12.431, de 2011, art. 43, § 2º).

§ 3º O disposto neste artigo não se aplica aos pagamentos de obrigações definidas em lei como de pequeno valor que a Fazenda Pública federal deva fazer em decorrência de sentença judicial transitada em julgado (Lei 12.431, de 2011, art. 44).


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.