início > legislação Ano XXI - 1 de abril de 2020



QR - Mobile Link
RIR/2018 - LIVRO II - TÍTULO VIII - CAPÍTULO VII - DEMAIS RECEITAS E DESPESAS

REGULAMENTO DO IMPOSTO DE RENDA - RIR/2018 (Revisada em 28-09-2019)

DECRETO 9.580, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2018

LIVRO II - DA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS (Art. 158 ao Art. 676)

TÍTULO VIII - DO LUCRO REAL (Art. 257 ao Art. 586)

CAPÍTULO VII - DAS DEMAIS RECEITAS E DESPESAS (Art. 501 ao Art. 525)

  • Seção I - Dos ganhos e das perdas de capital (Art. 501 ao Art. 514)
    • Subseção I - Disposições gerais (Art. 501 ao Art. 502)
      • Devolução de capital em bens ou direitos (Art. 502)
    • Subseção II - Das vendas a longo prazo (Art. 503)
    • Subseção III - Dos ganhos em desapropriação (Art. 504 ao Art. 505)
      • Diferimento da tributação (Art. 504)
      • Desapropriação para fins de reforma agrária (Art. 505)
    • Subseção IV - Das perdas na alienação de bens tomados em arrendamento mercantil pelo vendedor (Art. 506)
    • Subseção V - Do resultado na alienação de investimento avaliado pelo valor de patrimônio líquido (Art. 507 ao Art. 509)
    • Subseção VI - Das perdas na alienação de bens e valores oriundos de incentivos fiscais (Art. 510)
    • Subseção VII - Do Programa Nacional de Desestatização (Art. 511 ao Art. 513)
    • Subseção VIII - Das perdas em operações financeiras (Art. 514)
  • Seção II - Das reservas de reavaliação remanescentes (Art. 515 ao Art. 519)
    • Subseção I - Da reserva de reavaliação de bens (Art. 516)
      • Tributação na realização (Art. 516)
    • Subseção II - Da reserva de reavaliação na subscrição de capital ou valores mobiliários (Art. 517)
    • Subseção III - Da reserva de reavaliação na fusão, na incorporação ou na cisão (Art. 518 ao Art. 519)
  • Seção III - Das contribuições de subscritores de valores mobiliários (Art. 520 ao Art. 522)
    • Encargos com emissão de ações ou bônus de subscrição (Art. 521)
    • Encargos referentes a instrumentos de capital ou de dívida subordinada (Art. 522)
  • Seção IV - Das subvenções para investimento e doações públicas (Art. 523 ao Art. 524)
    • Disposição transitória quanto à pessoa jurídica sujeita ao Regime Tributário de Transição (Art. 524)
  • Seção V - Do capital de seguro por morte de sócio (Art. 525)

Seção I - Dos ganhos e das perdas de capital

Subseção I - Disposições gerais (Art. 501 ao Art. 502)

Art. 501. Serão classificados como ganhos ou perdas de capital e computados, para fins de determinação do lucro real, os resultados na alienação, na desapropriação, na baixa por perecimento, na extinção, no desgaste, na obsolescência ou na exaustão, ou na liquidação de bens do ativo não circulante, classificados como investimentos, imobilizado ou intangível ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 31, caput ).

§ 1º Ressalvadas as disposições especiais, a determinação do ganho ou da perda de capital terá por base o valor contábil do bem, assim entendido aquele que estiver registrado na escrituração do contribuinte, subtraído, se for o caso, da depreciação, da amortização ou da exaustão acumulada e das perdas estimadas no valor de ativos ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 31, § 1º ).

§ 2º A parcela de depreciação anteriormente excluída do lucro líquido para fins de apuração do lucro real deverá ser adicionada na apuração do imposto sobre a renda no período de apuração em que ocorrer a alienação ou a baixa do ativo ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 31, § 6º ).

Devolução de capital em bens ou direitos (Art. 502)

Art. 502. Os bens e os direitos do ativo da pessoa jurídica, que forem entregues ao titular, ao sócio ou ao acionista, a título de devolução de sua participação no capital social, poderão ser avaliados pelo valor contábil ou pelo valor de mercado ( Lei 9.249, de 1995, art. 22, caput ).

Parágrafo único. Na hipótese de a devolução realizar-se pelo valor de mercado, a diferença entre este valor e o valor contábil dos bens ou dos direitos entregues será considerada ganho de capital, que será computado nos resultados da pessoa jurídica tributada com base no lucro real ( Lei 9.249, de 1995, art. 22, § 1º ).

Subseção II - Das vendas a longo prazo (Art. 503)

Art. 503. Nas vendas de bens do ativo não circulante classificados como investimentos, imobilizado ou intangível, para recebimento do preço, no todo ou em parte, após o término do ano-calendário seguinte ao da contratação, o contribuinte poderá, para fins de determinar o lucro real, reconhecer o lucro na proporção da parcela do preço recebida em cada período de apuração (Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 31, § 2º ).

Parágrafo único. Caso o contribuinte tenha reconhecido o lucro na escrituração comercial no período de apuração em que ocorreu a venda, os ajustes e o controle decorrentes da aplicação do disposto neste artigo serão efetuados no Lalur ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 6º, §2º e §3º , e art. 8º, caput, inciso I ).

Subseção III - Dos ganhos em desapropriação (Art. 504 ao Art. 505)

Diferimento da tributação (Art. 504)

Art. 504. O contribuinte poderá diferir a tributação do ganho de capital obtido na desapropriação de bens, desde que ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 31, § 4º, alíneas “a” ao “c”; e Lei 6.404, de 1976, art. 178, § 1º) :

I - transfira o ganho de capital para reserva especial de lucros;

II - aplique, no prazo máximo de dois anos, contado da data do recebimento da indenização, na aquisição de outros bens do ativo não circulante investimentos, imobilizado ou intangível, importância igual ao ganho de capital; e

III - discrimine, na reserva de lucros, os bens objeto da aplicação de que trata o inciso II do caput , em condições que permitam a determinação do valor realizado em cada período de apuração.

§ 1º A reserva será computada para fins de determinação do lucro real de acordo com o disposto no art. 516 , ou quando for utilizada para distribuição de dividendos ou aumento do capital social ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 31, § 5º ).

§ 2º Será mantido controle, no Lalur, do ganho diferido nos termos estabelecidos neste artigo ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 6º, §2º e §3º , e art. 8º, caput, inciso I).

Desapropriação para fins de reforma agrária (Art. 505)

Art. 505. Fica isento do imposto sobre a renda o ganho obtido nas operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária ( Constituição, art. 184, § 5º ).

Subseção IV - Das perdas na alienação de bens tomados em arrendamento mercantil pelo vendedor (Art. 506)

Art. 506. Não será dedutível, para fins de determinação do lucro real, a perda apurada na alienação de bem que vier a ser tomado em arrendamento mercantil pela própria vendedora ou pela pessoa jurídica a ela vinculada (Lei 6.099, de 1974, art. 9º, parágrafo único).

Subseção V - Do resultado na alienação de investimento avaliado pelo valor de patrimônio líquido (Art. 507 ao Art. 509)

Art. 507. O valor contábil, para fins de determinar o ganho ou a perda de capital na alienação ou na liquidação do investimento avaliado pelo valor de patrimônio líquido de acordo com o disposto no art. 420 , será a soma algébrica dos seguintes valores ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 33, caput, incisos I e II ):

I - valor de patrimônio líquido pelo qual o investimento estiver registrado na contabilidade do contribuinte; e

II - mais ou menos-valia e ágio por rentabilidade futura ( goodwill ), de que tratam os incisos II e III do caput Art. 421 , ainda que tenham sido realizados na escrituração comercial do contribuinte, conforme previsto no art. 422.

Art. 508. A baixa do investimento de que trata o art. 507 deverá ser precedida de avaliação pelo valor de patrimônio líquido, com base em balanço patrimonial ou balancete de verificação da investida levantado na data da alienação ou da liquidação ou em até trinta dias, no máximo, antes dessa data (Lei 7.799, de 10 de julho de 1989, art. 27; e Lei 9.249, de 1995, art. 4º ).

Art. 509. Não será computado, para fins de determinação do lucro real, o acréscimo ou a diminuição do valor de patrimônio líquido de investimento decorrente de ganho ou perda por variação na percentagem de participação do contribuinte no capital social da investida ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 33, § 2º ).

Subseção VI - Das perdas na alienação de bens e valores oriundos de incentivos fiscais (Art. 510)

Art. 510. Não será dedutível, para fins de determinação do lucro real, a perda apurada na alienação ou na baixa de investimento adquirido por meio de dedução do imposto sobre a renda devido pela pessoa jurídica ( Decreto-Lei 1.648, de 18 de dezembro de 1978, art. 6º ).

Subseção VII - Do Programa Nacional de Desestatização (Art. 511 ao Art. 513)

Art. 511. Terá o tratamento de permuta a entrega, pelo licitante vencedor, de títulos da dívida pública federal ou de outros créditos contra a União, como contrapartida à aquisição das ações ou das quotas leiloadas no âmbito do PND ( Lei 8.383, de 1991, art. 65, caput ).

§ 1º O custo de aquisição das ações ou das quotas leiloadas será igual ao valor contábil dos títulos ou dos créditos entregues pelo adquirente na data da operação ( Lei 8.383, de 1991, art. 65, § 3º ).

§ 2º Quando se configurar, na aquisição, investimento avaliável pelo valor do patrimônio líquido, a adquirente deverá desdobrar o custo de aquisição de que trata o § 1º, observado o disposto no art. 421 ( Lei 8.383, de 1991, art. 65, § 4º; e Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 20, caput , incisos I ao III ).

§ 3º O disposto neste artigo aplica-se, também, nas hipóteses de entrega, pelo licitante vencedor, de títulos da dívida pública dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios, como contrapartida à aquisição de ações ou quotas de empresa sob controle direto ou indireto destes entes federativos, nas hipóteses de desestatização por elas promovidas ( Medida Provisória 2.159-70, de 2001, art. 2 º ).

§ 4º Na hipótese de o adquirente ser pessoa jurídica não tributada com base no lucro real, o custo de aquisição das ações ou das quotas da empresa privatizável corresponderá ao custo de aquisição dos direitos contra a União, observado o disposto no art. 595 ( Lei 8.383, de 1991, art. 65, § 1º e § 2º; e Lei 9.249, de 1995, art. 17 ).

Art. 512. Os ganhos de capital na alienação de participações acionárias de propriedade de sociedades criadas pelos Estados, pelos Municípios ou pelo Distrito Federal, com a finalidade de contribuir para o saneamento das finanças dos controladores, no âmbito de programas de privatização, ficam isentos do imposto sobre a renda ( Lei 9.532, de 1997, art. 79, caput ).

Parágrafo único. A isenção de que trata este artigo fica condicionada à aplicação exclusiva do produto da alienação das participações acionárias no pagamento de dívidas dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios ( Lei 9.532, de 1997, art. 79, parágrafo único ).

Art. 513. Não incidirá o imposto sobre a renda na utilização dos créditos correspondentes às dívidas novadas pelas instituições do Sistema Financeiro da Habitação - SFH, junto ao Fundo de Compensações de Variações Salariais - FCVS, como contrapartida da aquisição de bens e direitos no âmbito do PND, observado o disposto nos § 1º e § 2º Art. 511 (Lei 10.150, de 21 de dezembro de 2000, art. 6º e art. 9º).

Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica ao ganho de capital auferido nas operações de alienação a terceiros dos créditos advindos das dívidas novadas de que trata o caput ou dos bens e dos direitos adquiridos no âmbito do PND (Lei 10.150, de 2000, art. 6º e art. 9º).

Subseção VIII - Das perdas em operações financeiras (Art. 514)

Art. 514. Não serão dedutíveis, para fins de apuração do lucro real, as perdas apuradas nas operações:

I - iniciadas e encerradas no mesmo dia ( day-trade ), realizadas em mercado de renda fixa ou variável, observado, na hipótese de operações em bolsa, o disposto nos § 6º e § 7º Art. 851(Lei 8.981, de 1995, art. 76, § 3º; e Lei 9.959, de 2000, art. 8º, § 5º e § 6º);

II - com os ativos a que se refere o art. 792 (Lei 12.431, de 24 de junho de 2011, art. 2º, § 4º);

III - de alienação de quotas dos Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional - Funcines, de que trata o art. 821 ( Medida Provisória 2.228-1, de 2001, art. 45, § 5º );

IV - com as quotas dos fundos de investimento a que se referem o caput Art. 833 e o § 1º Art. 836 ( Lei 11.478, de 2007, art. 3º; e Lei 12.431, de 2011, art. 3º, § 10);

V - de resgate de quotas do Fundo de Investimento em Participações em Infraestrutura - FIP-IE e do Fundo de Investimento em Participações na Produção Econômica Intensiva em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação - FIP-PD&I, inclusive quando decorrentes da liquidação do fundo a que se refere o art. 833 (Lei 11.478, de 2007, art. 2º e art. 3º);

VI - com as quotas dos fundos de investimentos a que se refere o art. 833 (Lei 12.431, de 2011, art. 3º, § 10); e

VII - de que tratam os art. 837 , art. 839 e art. 841 , somente serão dedutíveis para fins de determinação do lucro real até o limite dos ganhos auferidos em operações previstas naqueles artigos (Lei 8.981, de 1995, art. 76, § 4º).

Seção II - Das reservas de reavaliação remanescentes

Art. 515. As disposições contidas nesta Seção aplicam-se somente aos saldos da reserva de reavaliação remanescentes na escrituração comercial de 31 de dezembro de 2013, ou 31 de dezembro de 2014, conforme o disposto no art. 211 , e até a realização completa desses saldos (Lei 12.973, de 2014, art. 60).

Subseção I - Da reserva de reavaliação de bens (Art. 516)

Tributação na realização (Art. 516)

Art. 516. A contrapartida da reavaliação de bens da pessoa jurídica somente poderá ser computada em conta de resultado ou para fins de determinação do lucro real quando ocorrer a efetiva realização do bem reavaliado (Lei 9.959, de 2000, art. 4º).

Parágrafo único. Para os fins do disposto neste artigo, a efetiva realização do bem reavaliado é considerada como ocorrida quando o bem for ( Decreto-Lei 1598, de 1977, art. 35, § 1º, alínea “b” ):

I - alienado, sob qualquer forma;

II - depreciado, amortizado ou exaurido; e

III - baixado por perecimento.

Subseção II - Da reserva de reavaliação na subscrição de capital ou valores mobiliários (Art. 517)

Art. 517. A contrapartida do aumento do valor de bens do ativo incorporados ao patrimônio de outra pessoa jurídica, na subscrição em bens de capital social ou de valores mobiliários emitidos por companhia, não será computada para fins de determinação do lucro real enquanto mantida em conta de reserva de reavaliação ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 36, caput ).

Parágrafo único. O valor da reserva deverá ser computado para fins de determinação do lucro real ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 36, parágrafo único ):

I - na alienação ou na liquidação da participação societária ou dos valores mobiliários, pelo montante realizado;

II - em cada período de apuração, em montante igual à parte dos lucros, dos dividendos, dos juros ou das participações recebidos pelo contribuinte, que corresponder à participação ou aos valores mobiliários adquiridos com o aumento do valor dos bens do ativo; ou

III - proporcionalmente ao valor realizado, no período de apuração em que a pessoa jurídica que houver recebido os bens reavaliados realizar o valor dos bens, na forma prevista no art. 516 , ou com eles integralizar capital de outra pessoa jurídica.

Subseção III - Da reserva de reavaliação na fusão, na incorporação ou na cisão (Art. 518 ao Art. 519)

Art. 518. A contrapartida do aumento do valor de bens do ativo em decorrência de reavaliação na fusão, na incorporação ou na cisão não será computada para determinar o lucro real enquanto mantida em reserva de reavaliação na sociedade resultante da fusão ou da incorporação, na sociedade cindida ou em uma ou mais das sociedades resultantes da cisão ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 37, caput ).

Parágrafo único. O valor da reserva deverá ser computado para fins de determinação do lucro real de acordo com o disposto no art. 516 ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 37, parágrafo único ).

Art. 519. As reservas de reavaliação transferidas por ocasião da incorporação, da fusão ou da cisão terão, na sucessora, o mesmo tratamento tributário que teriam na sucedida.

Seção III - Das contribuições de subscritores de valores mobiliários (Art. 520 ao Art. 522)

Art. 520. Não serão computadas, para fins de determinação do lucro real, as importâncias creditadas a reservas de capital que o contribuinte, com a forma de companhia, receber dos subscritores de valores mobiliários de sua emissão a título de ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 38, caput ):

I - ágio na emissão de ações por preço superior ao valor nominal ou a parte do preço de emissão de ações sem valor nominal destinadas à formação de reservas de capital;

II - valor da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição; e

III - lucro na venda de ações em tesouraria.

Parágrafo único. O prejuízo na venda de ações em tesouraria não será dedutível para fins de determinação do lucro real ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 38, § 1º ).

Encargos com emissão de ações ou bônus de subscrição (Art. 521)

Art. 521. Os custos associados às transações destinadas à obtenção de recursos próprios, por meio da distribuição primária de ações ou bônus de subscrição contabilizados no patrimônio líquido, poderão ser excluídos, para fins de determinação do lucro real, quando incorridos ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 38-A ).

Encargos referentes a instrumentos de capital ou de dívida subordinada (Art. 522)

Art. 522. A remuneração, os encargos, as despesas e os demais custos, ainda que contabilizados no patrimônio líquido, referentes a instrumentos de capital ou de dívida subordinada, emitidos pela pessoa jurídica, exceto na forma de ações, poderão ser excluídos para fins de determinação do lucro real quando incorridos ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 38-B, caput ).

§ 1º O disposto neste artigo não se aplica aos instrumentos previstos no art. 15 da Lei 6.404, de 1976 ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 38-B, § 2º ).

§ 2º Na hipótese de estorno por qualquer razão, em contrapartida de conta de patrimônio líquido, os valores mencionados no caput e anteriormente deduzidos deverão ser adicionados na base de cálculo do imposto ( Decreto-Lei 1.598, de 1977, art. 38-B, § 3º ).

Seção IV - Das subvenções para investimento e doações públicas (Art. 523 ao Art. 524)

Art. 523. As subvenções para investimento, inclusive por meio de isenção ou de redução de impostos, concedidas como estímulo à implantação ou à expansão de empreendimentos econômicos e as doações feitas pelo poder público não serão computadas para fins de determinação do lucro real, desde que sejam registradas na reserva de lucros a que se refere o art. 195-A da Lei 6.404, de 1976 , que somente poderá ser utilizada para (Lei 12.973, de 2014, art. 30, caput ) :

I - absorção de prejuízos, desde que anteriormente as demais reservas de lucros, à exceção da Reserva Legal, já tenham sido totalmente absorvidas; ou

II - aumento do capital social.

§ 1º Na hipótese prevista no inciso I do caput , a pessoa jurídica deverá recompor a reserva à medida que forem apurados lucros nos períodos subsequentes (Lei 12.973, de 2014, art. 30, § 1º).

§ 2º As doações e as subvenções de que trata o caput serão tributadas caso não seja observado o disposto no § 1º ou seja dada destinação diversa daquela prevista no caput , inclusive nas hipóteses de (Lei 12.973, de 2014, art. 30, § 2º):

I - capitalização do valor e posterior restituição de capital aos sócios ou ao titular, por meio da redução do capital social, hipótese em que a base para a incidência será o valor restituído, limitado ao valor total das exclusões decorrentes de doações ou subvenções governamentais para investimentos;

II - restituição de capital aos sócios ou ao titular, por meio da redução do capital social, nos cinco anos anteriores à data da doação ou da subvenção, com capitalização posterior do valor da doação ou da subvenção, hipótese em que a base para a incidência será o valor restituído, limitada ao valor total das exclusões decorrentes de doações ou de subvenções governamentais para investimentos; ou

III - integração à base de cálculo dos dividendos obrigatórios.

§ 3º Se, no período de apuração, a pessoa jurídica apurar prejuízo contábil ou lucro líquido contábil inferior à parcela decorrente de doações e de subvenções governamentais e, nesse caso, não puder ser constituída como parcela de lucros nos termos estabelecidos no caput , esta deverá ocorrer à medida que forem apurados lucros nos períodos subsequentes (Lei 12.973, de 2014, art. 30, § 3º).

Disposição transitória quanto à pessoa jurídica sujeita ao Regime Tributário de Transição (Art. 524)

Art. 524. Até 31 de dezembro de 2013, ou 31 de dezembro de 2014, conforme disposto no art. 211 , o valor das subvenções para investimento concedidas pelo Poder Público, como estímulo à implantação ou à expansão de empreendimentos econômicos por meio de doações, isenções ou reduções de impostos não deve ser computado para fins de determinação do lucro real se a pessoa jurídica sujeita ao RTT, nos termos estabelecidos no art. 213 , observou os procedimentos exigidos à época da concessão (Lei 11.941, de 2009, art. 18).

Seção V - Do capital de seguro por morte de sócio (Art. 525)

Art. 525. O capital das apólices de seguros ou pecúlio em favor da pessoa jurídica, pago por morte do sócio segurado, não será computado para fins de determinação do lucro real ( Decreto-Lei 5.844, de 1943, art. 43, § 2º, alínea “f” ).


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.