início > textos Ano XX - 18 de abril de 2019



QR - Mobile Link
ANVISA DIVULGA CLASSIFICAÇÃO SANITÁRIA DE NAVIOS DE CRUZEIRO

ANVISA DIVULGA CLASSIFICAÇÃO SANITÁRIA DE NAVIOS DE CRUZEIRO

EMPRESÁRIOS INCOMPETENTES DENIGREM A IMAGEM DO TURISMO MARÍTIMO

São Paulo, 20/03/2012

Referências: Irresponsabilidade dos empresários inescrupulosos ou megalomaníacos, Inconsequência dos aventureiros ou inexperientes no seu ramo de atividade. Lucro Fácil e Rápido, Limpeza, higiene, saúde, Conservação de alimentos e das instalações sanitárias. Alimentos Vencidos, Nutricionista, Qualidade e Produtividade, Desperdício Causado por Funcionários Incompetentes e com Baixos Salários, Cruzeiros Marítimos, Custos na Contabilidade das Entidades de Turismo e Lazer. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Agências Nacionais Reguladoras. Indenizações por Danos Morais e Materiais, Direitos do Consumidor.

EMPRESÁRIOS INCOMPETENTES DENIGREM A IMAGEM DO TURISMO MARÍTIMO

Por Americo G Parada Fº - Contador CRC-RJ 19750

Com o título deste tópico, em 14/01/2012 foi publicado neste site do COSIFe o texto em que se comenta a irresponsabilidade de empresários incompetentes e de outros, inescrupulosos, do ramo de cruzeiro marítimo, quase todos, estrangeiros.

Naquele artigo chamávamos a atenção dos usurários deste site para que na contratação desse tipo de viagem turística passassem a desconfiar de determinadas promoções (facilidades oferecidas pelas empresas intermediárias, as agências de viagens e turismo).

Nem sempre o mais caro navio ou o mais caro hotel é o melhor. Porém, quase sempre o mais barato tende a ser o pior. Empresário não joga para perder. Para os empresários inescrupulosos, o lucro fácil e rápido está acima de qualquer compromisso de honra. Os empresários incompetentes (aventureiros) geralmente cometem erros por falta de experiência no seu ramo de atividade. Por isso é preciso ter cuidado.

Para redução de seus custos, visando maiores lucros, muitos empresários deixam de gastar naquilo que os olhos não veem. Isto é, não gastam com o combate aos fungos, às bactérias e a outros microrganismos tão prejudiciais à saúde pública. E esse problema começa com contratação de funcionários mais baratos, sem os conhecimentos mínimos necessários para que possam realizar um bom trabalho.

Então, naquele texto chamávamos a atenção do leitor para os problemas de higiene que estariam acima de quaisquer outros confortos visuais. Normalmente as pessoas se preocupam em escolher o empreendimento ou coisa (inclusive alimento) que ofereça melhor visual, cheiro, sabor, esquecendo-se da saúde (qualidade do produto, reputação do produtor, melhores instalações sanitárias, higiene, limpeza, etc...).

Talvez em razão do escrito neste site COSIFe, as nossas sanitárias tenham resolvido melhor orientar os usuários do turismo marítimo com dados mais precisos, que obviamente este site não tem por não ser encarregado de efetuar tal fiscalização.

Assim sendo, torna-se importante a leitura do texto a seguir, publicado pela Agência Brasil, que é uma empresa pública (estatal) encarregada especialmente de tonar público os atos praticados pelos órgãos governo federal.

ANVISA DIVULGA RANKING COM CLASSIFICAÇÃO SANITÁRIA DE NAVIOS DE CRUZEIRO QUE FICAM NA COSTA DO PAÍS

Por Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil publicado em 19/03/2012

Brasília – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou em 19/03/2012 um ranking com a classificação sanitária dos 18 navios de cruzeiro que ficarão na costa brasileira durante a temporada 2011/2012.

A lista classifica as embarcações em quatro categorias: A, B, C e D, de acordo com o grau de risco à saúde apresentado na primeira fiscalização feita pela agência, na chegada dos navios ao Brasil.

A maioria dos cruzeiros, de acordo com a Anvisa, registrou boas condições sanitárias (categoria B). Quatro embarcações registraram excelentes condições sanitárias (categoria A); duas registraram condições sanitárias satisfatórias (categoria C); e uma registrou condições sanitárias inadequadas (categoria D).

Navios com esse tipo de classificação, segundo a Anvisa, precisam fazer correções imediatas para serem autorizados a continuar a navegação de rotina.

As principais irregularidades encontradas durante as inspeções estão relacionadas aos serviços de alimentação; falha no monitoramento dos padrões de pureza da água; e presença de objetos estranhos na sala de ar condicionado.

Na última temporada (2010/2011), dados da agência indicavam que 38% dos casos de doença a bordo de navios de cruzeiro foram diarreia aguda provocada por norovírus – geralmente transmitido por meio da ingestão de alimentos contaminados.

Segundo a Anvisa, foram detectadas falhas no controle de temperatura de alimentos e a existência de alimentos fracionados sem identificação, além de alimentos fora do prazo de validade.

O ranking de classificação sanitária dos navios de cruzeiro que ficam na costa brasileira nesta temporada pode ser acessado na página da Anvisa na internet.

VÍDEO PRODUZIDO PELA ANVISA PUBLICADO NO YOUTUBE

ANVISA dá dicas sobre como evitar problemas de saúde em navios de cruzeiro.