início > textos Ano XX - 17 de setembro de 2019



QR - Mobile Link
O FIM DO EMPREGO

O FIM DO EMPREGO

A CRISE DO DESEMPREGO - ESTRUTURAL E CONJUNTURAL

São Paulo, 6 de maio de 2004 (Revisado em 16-09-2016)

Referências: Redução da Carga Horária dos Trabalhadores, Lazer em Família, Longevidade, Melhoria da Saúde Pública, Quebra do Sistema de Previdência Social Oficial, Economia Informal, Autorregulação dos Mercados, Globalização, Criminalidade, Favelas, Miséria, Sistema de Educação Básica e Profissional, Robótica nas Indústrias, Mecanização das Lavouras e Informática nas Empresas. Contabilidade Integrada e Fraudes Praticadas pelas Multinacionais. Os Problemas a Serem Enfrentados pelo Contador e demais Contabilistas.

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

A QUESTÃO

Foi sob este tema que o presidente da TV Cultura de São Paulo, Cunha Lima, discorreu em sua palestra numa das aulas no programa Universidade na Madrugada, na noite de ontem para hoje, patrocinado pela Anhembi - Morumbi. O interessante, para mim, foi ver que ele mencionou várias ocorrências sobre as quais tenho escrito nestes editoriais. Ele explicava a crise do emprego no mundo, atribuindo este fato à globalização, à robótica nas indústrias, à mecanização das lavouras e à informática nas empresas.

REDUÇÃO DA CARGA HORÁRIA - LAZER EM FAMÍLIA

Mencionou ainda que em certa ocasião, no Programa Roda Viva da mesma emissora, foi entrevistado um professor (estrangeiro), com tradução legendada, o qual mencionava que o futuro dos trabalhadores era a especialização e o lazer. Ou seja, devido aos avanços tecnológicos os trabalhadores teriam menor carga horária, seriam mais especializados, os salários seriam maiores e assim poderiam dedicar-se mais ao lazer e à família.

Porém, na prática não é exatamente isso que vem ocorrendo, razão da atual crise do emprego.

LONGEVIDADE DOS TRABALHADORES - MELHORIA DA SAÚDE PÚBLICA

Mas, também citou como causa do aumento do desemprego a longevidade dos trabalhadores.

Aliás, esse aumento da longevidade em parte provocou a quebra do sistema previdenciário, que se prejudica ainda mais com a elevada inadimplência dos empresários de todas as categorias e de diversas agremiações, entre elas as futebolísticas.

Principalmente no Brasil a realidade é que a carga horária continua elevada, a média salarial foi reduzida e o desemprego aumentou, aumentando também por esse motivo a informalidade, a criminalidade e a quantidade de favelas.

SISTEMA EDUCACIONAL PARA OS MENOS FAVORECIDOS

Mencionou também o palestrante a falta de oportunidade educacional para os mais pobres, que são obrigados a estudar em faculdades particulares, enquanto os mais ricos freqüentam as universidades públicas. Não foi especialmente contra a manutenção destas universidades, mas, sim, a favor do financiamento do ensino pelo governo, cobrando taxa de juros subsidiada ou mesmo inexistente.

O grande problema que vivenciamos atualmente, e sobre o qual já escrevi, é que até mesmo aqueles profissionais de nível superior não têm conseguido colocação no mercado de trabalho. Em muitas categorias profissionais só têm sucesso aqueles cujos pais conseguiram ter seus próprios escritórios ou empresas. Alguns dos demais ficam a mercê das indicações de amigos e de ex-professores, pois não há lugar para todos.

A ANÁRQUICA GLOBALIZAÇÃO IMPOSTA PELOS NEOLIBERAIS

A globalização foi imposta pelos neoliberais sem que fossem vislumbradas as conseqüências que isto poderia ter. E foi imposta de forma abrupta, quando devia ser incrementada de forma paulatina, realizando-se estudos sob as conseqüências para a sociedade e principalmente para o emprego.

Em tese, dizia-se que os trabalhadores demitidos pela mecanização, pela robótica e pela informática seriam reciclados e aproveitados em outros ramos de atividade, entretanto, na prática, não foi exatamente isto que aconteceu. Os trabalhadores demitidos foram abandonados à própria sorte e muitos não tinham o conhecimento técnico e intelectual suficiente para procurar novos rumos. Para em parte sanar esse grande problema de desemprego foi criado o Bolsa -Família.

AS POLÍTICAS ECONÔMICAS GERADORAS DE DESEMPREGO E MISERABILIDADE

Os governantes nada fizeram, seduzidos por promessas e teses mal formuladas pelos neoliberais. E pressionados por organismos internacionais, defensores dos credores externos, engendraram e aplicaram políticas econômicas recessivas, que debilitaram o mercado interno e reduziram as exportações.

ROBÓTICA, MECANIZAÇÃO E INFORMÁTICA

A robotização das indústrias e a mecanização das lavouras causaram o grande nível de desemprego e de êxodo rural, respectivamente. Os ex-colonos, e alguns outros infiltrados, vagam pelo país a procura de terras ditas improdutivas para invadir. Muitos dos desempregados das indústrias tentaram com sua indenização entrar no mundo empresarial e acabaram perdendo tudo que tinham, justamente por falta de orientação e apoio técnico, também mediante atitudes desleais por parte das grandes indústrias, que não vendem diretamente aos micros e pequenos empresários. Estes são sempre obrigados a comprar de intermediários.

OS AVANÇOS NA CONTABILIDADE INFORMATIZADA - CONTABILIDADE INTEGRADA

A informática nas empresas tirou o emprego de muitos auxiliares de escritório que não acompanharam o desenvolvimento tecnológico. Os contadores, por exemplo, viram, em pouco tempo, a total alteração de suas tarefas. O computador, além de fazer muito mais tarefas em menor espaço de tempo, também passou a fazer automaticamente os lançamentos contábeis. Ou seja, digitando-se os dados de um “pedido” (venda), a máquina já emite a nota fiscal / fatura, atualiza os estoques, escritura os livros de entrada e saída de mercadorias, apura os impostos a pagar, emite as guias de recolhimento dos tributos, emite pedidos de compra para reposição dos estoques e faz a contabilização de todas essas transações. E assim acontece de forma semelhante em todas as demais tarefas dentro de uma empresa.

FRAUDES PRATICADAS PELAS MULTINACIONAIS - SONEGAÇÃO FISCAL

Essa informatização também permitiu a manipulação de dados e as grandes fraudes contábeis nas chamadas multinacionais, fraudes estas, executadas por seus administradores, que mediante artifícios contábeis e financeiros iludiram investidores e acionistas controladores, obtendo comissões sobre lucros fictícios, que ao serem descobertos, mostraram que na realidade as empresas estavam falidas, porque tais retiradas e lucros fictícios eram verdadeiros desfalques.

Do imediatamente exposto podemos ver que os contadores por um lado perderam grande de seu antigo trabalho artesanal e de outro ganharam o “status” de fiscalizadores (auditores) dos atos e fatos econômicos, financeiros e administrativos nas empresas e nas demais entidades, sejam elas públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos.

A ESPECIALIZAÇÃO DOS CONTADORES

O contador atualmente precisa ser um grande conhecedor de leis tributárias e fiscais, de normas regulamentares e também de transações comerciais, industriais e financeiras para que possa apurar e analisar, diante das suas contabilizações, a veracidade, a clareza e a legalidade dessas operações realizadas. O contador passou a ser o grande protetor do investidor, do controlador das empresas e do fisco (o Estado), quando apura desfalques e manipulações de resultados. Passou a ser uma figura que deve manter diante das entidades a sua ética e independência. Por isso sua importância cresceu no cenário dos negócios, embora isto não tenha chegado ao conhecimento do público e até mesmo de alguns colegas que preferiram abandonar a profissão.

FRAUDES FINANCEIRAS, LAVAGEM DE DINHEIRO, PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

Com a proliferação das fraudes financeiras, da lavagem de dinheiro e do planejamento tributário que visa a elisão fiscal, a evasão de divisas e a sonegação tributária, os auditores que realmente são independentes passaram a ser considerados inimigos de determinados empresários que perambulam pela penumbra da marginalidade fiscal e empresarial. E estes não poupam recursos para pagamento de lobistas e consultores que os ajudem a sonegar e a cometer as citadas irregularidades.

E assim formou-se uma rede de discriminação dos profissionais de contabilidade, que normalmente se destacam diante dos demais profissionais e que nada mais fazem do que praticar a ética profissional e o dever cívico de servir à sociedade.

Veja o texto denominado A Crise do Desemprego - Estrutural e Conjuntural.