início > contabilidade Ano XX - 26 de agosto de 2019



QR - Mobile Link
INTRODUÇÃO - DEFINIÇÕES BÁSICAS - PLANEJAMENTO DA AUDITORIA

AUDITORIA ANALÍTICA - AUDITORIA INTERNA E INDEPENDENTE

ANÁLISE DE ROTINAS E ELABORAÇÃO DE FLUXOGRAMAS

INTRODUÇÃO (Revisada em 09-09-2017)

Veja também:

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

DEFINIÇÕES BÁSICAS - PLANEJAMENTO DA AUDITORIA

DEFINIÇÕES BÁSICAS

Auditoria Analítica resume-se na análise de determinadas rotinas por funcionários especializados, que, mediante a elaboração de detalhados fluxogramas, os deixará arquivados como anexos de protocolos de rotinas de trabalho, para uso dos demais colegas de profissão, como verdadeiros "Mapas da Mina".

É preciso deixar claro que a Auditoria Analítica tanto serve para Auditoria Interna como para Auditoria Externa ou Independente. Portanto, o Auditor Interno, além do trabalho de dar conformidade aos atos e fatos administrativos contabilizados (compliance), também pode ser convocado para auxiliar nos trabalhos de Auditoria Independente e ainda nas eventuais Perícias Contábeis.

Assim, mediante a análise visual dos fluxogramas será facilmente entendida toda a rotina de determinado trabalho a ser executado especialmente por novatos, pessoas com menor experiência profissional.

Torna-se importante esclarecer que o sistema pode ser utilizado em praticamente todas as especializações profissionais, porque existem sistemas de gráficos para utilização nas telecomunicações, na logística de armazenamento e distribuição (transporte), no arquivamento físico ou digital de documentos de qualquer espécie, inclusive os contábeis e de escritórios de advocacia ou de arquitetura, na construção civil, entre outras aplicações.

Na área das investigações criminais, os fluxogramas podem oferecer as rotinas de investimentos no sistema financeiro e no mercado de capitais, inclusive sobre as irregularidades praticadas, como por exemplo o fluxo financeiro na Lavagem de Dinheiro ou na Blindagem Fiscal e Patrimonial (ocultação de bens, direitos e valores), no organograma hierárquico empresarial, nas rotinas de produção, de compra e vendas, etc...

PLANEJAMENTO DA AUDITORIA

O planejamento da auditoria (NBC-TA-300), por exemplo, envolve a definição de estratégia global para o trabalho e o desenvolvimento de plano de auditoria. Um planejamento adequado é benéfico para a auditoria das demonstrações contábeis de várias maneiras, inclusive para:

  • auxiliar o auditor a dedicar atenção apropriada às áreas importantes da auditoria;
  • auxiliar o auditor a identificar e resolver tempestivamente problemas potenciais;
  • auxiliar o auditor a organizar adequadamente o trabalho de auditoria para que seja realizado de forma eficaz e eficiente;
  • auxiliar na seleção dos membros da equipe de trabalho com níveis apropriados de capacidade e competência para responderem aos riscos esperados e na alocação apropriada de tarefas;
  • facilitar a direção e a supervisão dos membros da equipe de trabalho e a revisão do seu trabalho;
  • auxiliar, se for o caso, na coordenação do trabalho realizado por outros auditores e especialistas.

Todas essas rotinas básicas de auxílio devem constar de fluxogramas feitos pelos mais experientes auditores.

DIFICULDADES NA UTILIZAÇÃO DA AUDITORIA ANALÍTICA

Procurando-se na Internet, por meio do Google, são raros os trabalhos realmente objetivos sobre auditoria analítica. Isto pode significar que nas universidades e também nas entidades jurídicas com ou sem fins lucrativos, públicas ou privadas, tal técnica não está sendo efetivamente empregada.

O autor de uma dissertação de Mestrado, em se texto sobre Auditoria Analítica menciona que a pouca utilização dessa técnica está diretamente ligada ao seu alto custo de elaboração e à dificuldade de se fazer os levantamentos necessários por falta de colaboração dos funcionários das entidades jurídicas, que são obrigados a esconder determinadas práticas como a sonegação fiscal que é praticada mediante operações informais que resultam na formação de "Caixa Dois" (Recursos financeiros não contabilizados na economia formal).

Porém, os Contadores lotados nos órgãos de fiscalização tornarão seus relatórios melhor entendidos quando a rota das irregularidades encontradas forem explicadas mediante os fluxogramas que se convencionou chamar Auditoria Analítica.

Veja a seguir u exemplo dos instrumentos gráficos usados. No decorrer desse roteiro de pesquisa e estuado muitos fluxogramas constantes deste COSIFE serão apresentados.

PADRONIZAÇÃO GRÁFICA DOS FLUXOGRAMAS

Quando começaram a se tornar mais baratos os computadores eletrônicos de grande porte, a partir da década de 1960, eles passaram a ser utilizados pelas grandes empresas. Foi nessa época, e principalmente a partir da década de 1970, que ficaram conhecidas pelos alunos universitários a régua utilizada pela IBM para confecção dos fluxogramas das operações ou transações que seriam programas em computadores eletrônicos.


Outras padronizações gráficas ficaram conhecidas e serão mostradas
neste roteiro de pesquisa e estudo sobre Auditoria Analítica


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.