início > textos Ano XXI - 14 de novembro de 2019



QR - Mobile Link
O IMPÉRIO DO CORONELATO

O IMPÉRIO DO CORONELATO

O TERRORISMO ELEITORAL DOS MERCENÁRIOS DA MÍDIA

São Paulo, 26/12/2001 (Revisado em 16-09-2016)

Referências: Eleição Presidencial, Predominância dos Descendentes do Coronelato.

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

Na região metropolitana da Baixada Santista, a Rádio Jureia de Peruíbe - SP encomendou uma pesquisa para saber quem os caiçaras [no dicionário veja 9, 10 e 13] querem para ocupar o lugar de FHC [em 2002]. Terminada a pesquisa em primeiro lugar na preferência popular, encontraram a simpática governadora Roseana Sarney, do Estado do Maranhão, que é o Estado com a menor renda per capita do país e com miséria latente. E a família Sarney já governava aquele Estado direta ou indiretamente há quase 40 anos até 2001.

Uma das representantes do PT da baixada [santista] na câmara estadual [do Estado de São Paulo] declarou numa das emissões de televisão local que a razão da escolha de Roseana Sarney pelos caiçaras é pelo fato dela ser mulher. E a deputada estadual do PT indiretamente se considerou culpada pelo apurado. É que os principais representantes da Baixada nas Câmaras Estadual e Federal são mulheres e vem realizando um ótimo trabalho. Daí a tendência dos caiçaras de optarem por Roseana Sarney.

A escolha pareceu lógica, mas ao mesmo tempo irracional. A própria deputada disse que os eleitores da baixada estão equivocados e que para ser honesto e trabalhador não é bastante ser mulher. E citou o nome de Zélia Cardoso de Melo [Ministra da Fazenda no Governo Collor de Melo] como exemplo.

A meu ver, mais uma vez o baixo coronelato nordestino está sabendo mexer os seus pauzinhos. E outra vez vai conseguir enganar o povão e muitos preconceituosos.

O coordenador do COSIFE também estava se revelando preconceituoso ao escrever dessa forma, mas na realidade não é. Basta que se relembre das histórias dos nossos governantes de origem nordestina e que se perceba a miséria em que vive aquele povo.

Certa vez, em curso que ministrava para 150 participantes vindos de todos os Estados do Brasil, um paraibano perguntou porque o coordenador do COSIFE tinha tanta raiva do povo nordestino. Disse que não tinha raiva nem preconceito contra o povo nordestino, muito pelo contrário, e a prova disso é que em São Paulo em várias ocasiões havia votado em nordestinos. E disse mais: o problema do nordeste não é o povo e sim seus dirigentes (as elites burguesas partidárias da máxima do “rouba, mas faz”, mas que nada faz para mudar a situação reinante).

O Brasil tem 18 Estados beneficiados por incentivos fiscais, Zonas Francas e Zonas de Processamento das Exportações. Esses Estados estão nas regiões norte e nordeste. Ou seja, em dois terços do Brasil os empresários não pagam impostos e estes mesmos são os que detêm o poder político e econômico das citadas regiões. Por sua vez, no Congresso Nacional esses mesmos 18 Estados também têm dois terços das cadeiras disponíveis no Senado Federal. Ou seja, sempre foram eles que decidiram os destinos da nação. Assim sendo, não há como negar que são eles que estão levando o Brasil para o fundo do poço.

E nesses Estados predominam os políticos da ex-ARENA e do ex-MBD, devidamente capitaneados pelo PFL (atual DEM) de ACM e Marco Maciel, pelo PPB (atual PP) de Paulo Maluf e Pitta, pelo PMDB de Sarney, Itamar e Jader Barbalho e pelo PSDB de FHC, que não é a favor nem contra, muito pelo contrário. Está sempre em cima do muro.

E com Roseana Sarney, mais uma vez o PFL (ARENA) vai manobrar e manipular os destinos do Brasil, como vem fazendo desde 1964, acentuando os desníveis sociais, criando desemprego, favelas e a mais vil miséria.

Tal como disse Solange Freitas, jornalista do programa Notícias em Debate da TV Brasil de Santos - SP, “estão querendo apagar aquela luz no fim do túnel, já tão debilitada pelo apagão, ocorrido durante o Governo FHC.