início > textos Ano XX - 18 de junho de 2019



QR - Mobile Link
FHC DEIXOU ECONOMIA DO PAÍS À DERIVA DEPOIS DO PLANO REAL

FHC deixou economia do País à deriva depois do Plano Real

SEM AJUSTE FISCAL E MANDA-CHUVA DO FMI NO BANCO CENTRAL, LULA REERGUEU O BRASIL

Rosa Cass e Claudio Eli - Tribuna da Imprensa - 29/07/2002

O governo do presidente Fernando Henrique Cardoso não fez nada para melhorar a economia depois do Plano Real, a não ser cuidar de sua reeleição, segundo interpretação do presidente do Ibmec School Business (Escola de Negócios do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais), Paulo Guedes. Na opinião do economista, nos oito anos da administração FHC, "ficou clara a falta de vontade política do governo em promover o ajuste fiscal necessário ao equilíbrio econômico do País".

"Há 25 anos - reclama - vimos discutindo a necessidade de importantes reformas que o Brasil precisa para retomar o desenvolvimento econômico e nada acontece porque os governos parecem não ter interesse em mudanças mais profundas". Guedes atacou os economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (Bird) e considera que o Brasil ficaria melhor sem o Fundo e seus procedimentos burocráticos.

"Eu desisti de receber esse pessoal há tempos. Eles costumam ficar nos enrolando. Desde 1984 ou 1985 já poderíamos ter ajustado a nossa economia, mas eles ficam no empurra-empurra, os governos se sucedem e os problemas só aumentam. Falta dinheiro e vai faltar mais. São políticos despreparados, que vão criando sucos de laranja com ex-presidentes do Banco Central. Suco do Pastore (José), de Langoni (Carlos) e agora de Armínio (Fraga), que tentam resistir.