início > textos Ano XXI - 5 de dezembro de 2019



QR - Mobile Link
DICAS PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

DICAS PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

DEIXAR DE LADO O SUPÉRFLUO E SE CONCENTRAR NO MAIS IMPORTANTE - O OBJETIVO PRINCIPAL

São Paulo, 04/04/2012

Referências: Emprego, Moradia, Assistência à saúde, o caos nos Transportes Urbanos, Mercado de Trabalho, Mão de obra especializada, os problemas enfrentados pelas grandes metrópoles e das pequenas cidades, Os prós e os contras dos produtos de alta tecnologia da informação, Produtividade e Qualidade. Sucesso na Carreira ou Profissão. Organização e Planejamento - um lugar para cada coisa e cada coisa no seu devido lugar. Administração por Objetivos. Contabilidade de Custos da Incapacidade Administrativa.

DEIXAR DE LADO O SUPÉRFLUO E SE CONCENTRAR NO MAIS IMPORTANTE - O OBJETIVO PRINCIPAL

Por Américo G Parada Fº - Contador CRC-RJ 19750

O MSN - Dinheiro publicou em 03/04/2012 algumas dicas que indiretamente induzem o internauta a não perder tempo com coisas publicadas por aquele próprio site por intermédio do HOJE do Windows Live Messenger.

Veja a seguir o texto publicado (em preto) com comentários (em azul) pelo coordenador do site do COSIFE. Logo depois outro sobre a contratação de estrangeiros

AUMENTE A SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

Veja quais são as principais escolhas ou diretivas que você deve tomar para aumentar a produtividade profissional.

Segundo o Dicionário Aurélio, diretriz é o conjunto de instruções ou indicações para se tratar e levar a termo um plano, uma ação, um negócio. De forma figurativa, diretriz pode ser uma "norma de procedimento" ou procedimentos padronizados; diretivas.

Porém, muitas vezes não é possível a padronização de todos procedimentos necessários à conclusão de determinada etapa de nossa vida ou de nossos negócios ou estudos. Então, resta à pessoa ou ao administrador decidir de forma racional o caminho a ser seguido.

Mas, isto não é o que geralmente acontece. Por causa dos corruptos e da iniciativa privada mal intencionada, muitas vezes as rígidas normas de procedimentos provocam o engessamento da máquina administrativa no setor publico.

1) - EM BUSCA DO SUCESSO

Para uma carreira de sucesso, os profissionais precisam aprender a tomar decisões da forma mais assertiva possível, manter a concentração e se assegurar de ter energia suficiente para o desenvolvimento das tarefas.

Gerir corretamente a atenção é conseguir se concentrar independente das milhares formas de interrupções que enfrentamos diariamente. Conheça cinco elementos que os profissionais devem observar para serem mais produtivos!

2) - BUSCANDO A MÁXIMA PRODUTIVIDADE

Agir sobre o importante:

Um dos principais pontos na busca da máxima produtividade é saber agir sobre as atividades importantes, que não são necessariamente as mais urgentes.

Para isso, o profissional precisa criar um senso de prioridade, identificando quais as ações resultarão em algo mais produtivo e focar nelas. As demandas que aparentemente são urgentes normalmente atrapalham os profissionais nesse processo. Um exemplo disso é a enxurrada de e-mails e telefonemas que recebemos a todo momento.

Mensagens Eletrônicas Recebidas pela Internet

Quanto à enxurrada de mensagens eletrônicas eletrônica recebidas diariamente, principalmente aquelas consideradas como SPAM é importante que o internauta nunca clique nunca delas e nunca se utilize dos serviços ou conceitos oferecidos por elas. Portanto, para desestimular o uso do SPAM, faz-se necessário que os internautas desprezem as empresas ou pessoas que usem esse tipo de propaganda.

Telefonemas Recebidos

Nunca deve ser fornecido o telefone do local de trabalho para pessoas que não participem dos seus negócios e das suas demais relações profissionais.

Um grande problema enfrentado por muitos profissionais é o constante recebimento de telefonemas da esposa e dos filhos que muitas vezes não se relacionam a problemas graves ou urgentes. Tais ligações geralmente tratam de pequenos acontecimentos que podem ser resolvidos em casa, depois do trabalho.

Na prática, o profissional deve ter cuidado para não se deixar distrair por esse tipo de interferência, deixando o que é realmente importante de lado. Uma das atividades importantes para os líderes, por exemplo, é desenvolver os membros de sua equipe, porém, por darem muito atenção às demandas do dia, acabam deixando essa tarefa de lado.

Ficar postergando o desenvolvimento da sua equipe para responder as demandas da área é deixar o importante de lado. Isso porque, se ele focasse no desenvolvimento da equipe, teria um time mais produtivo e, possivelmente, menos demandas para resolver.

Portanto, delegar responsabilidades sempre ajuda o executivo ou empresário a se livrar das generalidades. Por esse motivo quase todos os mais assoberbados têm secretárias e assessores que filtram as banalidades.

As grandes empresas têm funcionários treinados para fazer o primeiro atendimento, cujo assunto ou tema é selecionado por meio de atendimento eletrônico.

3) - DEIXANDO DE LADO AS BANALIDADES

Buscar o Extraordinário:

Pelos motivos expostos, a segunda atitude do profissional produtivo é buscar o extraordinário e não se conformar com o comum. Para isso, porém, é preciso, antes de mais nada, definir o que é extraordinário. Ou seja, qual o objetivo maior de sua carreira ou da perfeita execução do seu trabalho.

Quando o profissional tem definido claramente suas metas e objetivos e não se conforma com uma carreira comum, se torna mais fácil manter o senso de prioridade. Isso, inclusive, o ajuda a dizer alguns 'nãos', o que será muito importante para sua carreira.

É comum o funcionário perguntar ao chefe o que poderia ser respondido pelo colega ao lado. Na realidade bastaria que fossem lidas as normas de procedimentos internos.

Algo parecido acontece no site do COSIFE. Muitos internautas escrevem mensagens perguntando o que já está publicado no site. Bastaria que escrevessem o tema da questão (tags ou palavras-chaves) no instrumento de BUSCA do site.

Lembre-se de que a maneira mais certa de fracassar é querer agradar a todos.

4) - PRIORIZANDO OS OBJETIVOS

Programar os grandes objetivos:

Sem um planejamento diário e semanal, os profissionais acabam se perdendo nas tarefas pequenas do dia a dia. É importante, portanto, ter um planejamento para que você não perca o foco daquilo que é prioritário.

Esse planejamento não é apenas das tarefas que você precisa fazer durante a semana, mas, sim, um plano de atividades no qual você coloca um item fundamental, que é como fazer melhor o seu trabalho. Ou seja, vai muito além de uma simples listinha com as demandas que precisa entregar. É um plano muito maior, que considera atividades que o levarão a fazer algo excepcional.

É comum a chefes e empresários treinarem determinado funcionário ou estagiário e depois deixá-lo sair da empresa para trabalhar em outra. Provavelmente ficaria mais barato pagar salário um pouco maior para evitar que a sua empresa automaticamente se transforme numa entidade de treinamento de funcionários para serem utilizados pelas suas concorrentes.

5) - USANDO A TECNOLOGIA SEM SE DESVIAR DO OBJETIVO

Usar a tecnologia a seu favor:

A tecnologia está aí. Tablets, smartphones e desktops cheios de recursos e aplicativos que, se não forem bem aproveitados, só farão com que você drene seu tempo e sua energia com coisas desnecessárias.

No parágrafo anterior o MSN - Dinheiro indiretamente está criticando os internautas loucos por informação ou pela simples novidade de ter ao seu alcance um equipamento mais recentemente lançado. É como comprar um carro novo ou games super avançado para o filho. O carro novo e potente pode provocar acidentes por excesso de velocidade e o game pode transformar o filho num ser inútil para o trabalho intelectual, visto que geralmente priorizam a habilidade manual, a coordenação motora.

Conhecendo mais profundamente os recursos dessas inovações tecnológicas, o profissional consegue com que eles facilitem muito seu dia. Mas, não devem ser utilizados doentiamente.

O grande problema é que grande parte das pessoas não usa esses modernismos para desenvolvimento de sua cultura e para pesquisa de coisas, atos e fatos que venham enriquecer a sua gama de conhecimentos. Geralmente a procura é por futilidades, banalidades, "famosidades" (fofocas dos famosos), entre outras.

No e-mail, por exemplo, é possível criar regras para evitar o recebimento de spams e mesmo para que e-mails importantes sejam realçados. A questão é saber utilizar esses recursos. Isto já envolve um certo conhecimento ou desenvolvimento intelectual ou técnico.

O executivo ou qualquer outro profissional não deve deixar o Messenger aberto como "disponível", nem colecionar grandes listas de contatos. Deixe o Messenger para ser usado em casa especialmente para se comunicar com os familiares mais distantes.

Saber se organizar com tanta tecnologia também ajuda. Pesquisas já apontam que executivos perdem boa parte do seu tempo procurando onde registraram importantes informações.

Portanto, como dizem os pais da administração moderna, deve haver um lugar para cada coisa e cada coisa deve estar no seu devido lugar. Ou seja, no computador devem ser criados diretórios ou pasta para cada assunto, fato ou tema contido nos arquivos eletrônicos que se deseja guardar.

Imaginem o que aconteceria se os contabilistas, por exemplo, não se preocupassem em guardar os comprovantes dos lançamentos contábeis, devidamente numerados e arquivados, por dia, mês e ano. Como essa finalidade, no Livro Diário e no Razão, todos os lançamentos diários possuem o número do documento que deu origem ao registro contábil efetuado.

6) - NÃO ESQUECENDO DA SAÚDE

Aumentar a sua chama anterior:

Não se pode esquecer de um item fundamental: a saúde. Para fazer escolhas produtivas e tomar decisões assertivas, o profissional precisa ter energia, saúde e disposição.

Se na era industrial quanto mais horas trabalhadas, melhor, na era do conhecimento, as coisas não são mais assim. Aqui, o que importa é a qualidade das escolhas que você toma. Para ser o mais direto e assertivo é preciso saber se recarregar, estar descansado e ter uma vida saudável. Para isso, deve se buscar uma boa noite de sono, entrar em contato com amigos e fazer exercícios. De novo, o sedentarismo interfere fortemente na capacidade cognitiva dos profissionais.

Outro tema interessante sobre profissões e carreiras está no texto a seguir.

PREFEITURAS DE CIDADES PEQUENAS ATRAEM PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS

Por L.F. e F.F, de BRASÍLIA, estadao.com.br, publicado em 03/04/2012

Mesmo sem o diploma reconhecido, médicos estrangeiros aos poucos se instalam em pequenas cidades brasileiras. O movimento, que começou há alguns anos e ganha força, tem patrocínio de pequenas prefeituras, divide a Justiça e tira o sono de conselhos médicos. 'Isso nada mais é que exercício ilegal da medicina', contesta Cláudio Franzen, do Conselho Regional de Medicina do RS. Prefeituras argumentam que é o jeito de driblar a falta de profissionais interessados em trabalhar em pontos mais distantes do território brasileiro.

No Rio Grande do Sul, o CRM ingressou com ação contestando a contratação de uruguaios que não tinham diploma validado. Perdeu. A Justiça considerou legítima a contratação, amparada num acordo entre os países. 'Mas isso vale para profissões que não são regulamentadas. Não se aplica à Medicina', argumenta Franzen. O conselho vai recorrer.

Há duas semanas [anteriores a 03/04/2012], no Acre, a Justiça preferiu caminho inverso. Considerou ilegais as contratações de estrangeiros pelas prefeituras de Porto Acre, Acrelândia, Feijó e Manuel Urbano. Os contratos haviam sido firmados em 2010. A decisão afirma que os critérios para exercício devem ser os mesmos em todo o País e a carência de profissionais não pode afrouxar as exigências legais.

A falta de interesse dos médicos se justifica, diz Franzen. 'Oferecem salários bem inferiores aos R$ 9 mil recomendados. Para uruguaios, isso se torna bom negócio'. Franzen tem outra teoria. 'Prefeitos se livram de um eventual concorrente político. Nas pequenas cidades, médicos acabam ganhando popularidade e podem despontar como figura política'.

Pelo contrário, significativa parcela de trabalhadores de nível superior que saíram da cidade de São Paulo estão ganhando mais. E, se não estão ganhando mais, em compensação têm um padrão ou nível de vida melhor. Uma das razões de melhor padrão de vida é a redução das distâncias entre a moradia e o trabalho e a outra importante razão é que o custo de vida em São Paulo é o mais caro do Brasil. De outro lado, geralmente a criminalidade nas cidades interioranas é menor.

ATRAINDO TRABALHADORES DE OUTRAS REGIÕES DO BRASIL

Problema semelhante ao que está sendo enfrentado pelos profissionais de nível superior, tem acontecido com operários das antigas indústrias que fugiram da turbulenta cidade de São Paulo.

O grande problema das indústrias era que o operário, quase sempre morador da periferia ou do subúrbio (como dizem os cariocas),  para chegar ao trabalho ficava duas horas dentro de um ônibus e depois outras duas horas para voltar para casa, sem se contar o tempo que muitas vezes perdia à espera do ônibus, que passava cheio e não parava no ponto.

Então, muitas indústrias passaram a usar ônibus fretados para buscar seus funcionários que vinham das mais longínquas regiões da cidade. Algumas empresas de ônibus fretados traziam trabalhadores de outras cidades da região metropolitana. O tempo da viagem geralmente não era reduzido. Muitas vezes o tempo gasto dentro do ônibus era maior. Porém, como o ônibus era mais confortável que os comuns, com poltronas especiais, reclináveis, permitiam que os trabalhadores viajassem "tirando uma soneca". O mesmo acontecia na volta para casa. Por esse motivo, segundo os especialistas em recursos humanos, os trabalhadores tornavam-se mais produtivos. Para completar as "mordomias", tanto na chegada como na saída algumas empresas forneciam refeições e também durante o expediente e bom serviço de assistência à saúde.

Quando as indústrias resolveram sair da cidade de São Paulo, para se instalarem em cidades pequenas, surgiram outros problemas como falta de mão de obra especializada e a falta de assistência à saúde com a mesma tecnologia avançada existente na grande metrópole.

Sabendo do problema da falta de mão de obra nas pequenas cidades, empresas tentavam levar os trabalhadores paulistanos, oferecendo-lhe melhores condições de moradia e mais perto do trabalho. O problema foi que grande parte dos trabalhadores não queria sair da metrópole para trabalhar no interior. Achavam que estariam regredindo se voltassem para o lugar de onde vieram.

Dessa mentalidade resultou que, a quase totalidade dos trabalhadores que não quiseram sair de São Paulo, atualmente estão morando em favelas porque nunca mais conseguiram emprego.

ESTRESSE MENTAL, QUANDO O TRABALHO PESA

Por Efe - MSN - Dinheiro, publicado por MSN - Dinheiro em 03/04/2012

Um transtorno profissional cujo diagnóstico e classificação ainda estão em desenvolvimento é a mais recente das doenças ligadas às novas tecnologias: o estresse mental. Quando os níveis de exigência, esforço psicológico e atenção se tornam excessivo, o trabalhador termina mentalmente esgotado.

Por María Jesús Ribas

Os computadores, os robôs, os sistemas de telecomunicações, a informação, as redes wi-fi, o e-mail e a automatização revolucionaram o mundo da produção, o comércio e o trabalho, mas também apresentam um lado obscuro para quem precisa utilizá-los.

Se as doenças ligadas às novas tecnologias são uma das novidades mais recentes na medicina do trabalho, o estresse mental, transtorno relacionado aos elevados níveis de atenção, concentração e esforço intelectual que o desenvolvimento tecnológico impõe ao trabalhador, é uma das últimas incorporações aos catálogos das tecnodoenças.

"As doenças profissionais relacionadas às novas tecnologias que surgiram nos últimos anos são tão recentes que em alguns casos seu diagnóstico e classificação ainda estão sendo desenvolvidas", explicou o Antonio Iniesta, presidente da Associação Espanhola de Especialistas em Medicina do Trabalho (AEEMT).

Segundo um estudo recente da Universidade de Huelva (UH), na Espanha, o estresse mental está aumentando cada vez mais entre os trabalhadores.

Na opinião dos especialistas, este fenômeno se deve ao desenvolvimento tecnológico dos últimos tempos e à crescente terceirização (participação do setor terciário ou de serviços) do mundo laboral, que influíram decisivamente na evolução da carga de trabalho.

Cada vez mais o trabalho requer um contato menos direto com os materiais e sua transformação, o que fica a cargo de máquinas, robôs e outros dispositivos. Isso significa que o responsável por controlar o funcionamento correto deste equipamento deve estar atento a uma série de sinais, conhecer seu significado e acionar os comandos correspondentes para conseguir a operação desejada, explica a pesquisa da UH.

Mais atenção, mais pressão

Segundo Iniesta, a carga mental pode ser definida como a "quantidade de esforço mental usado para se conseguir um resultado concreto", e está ligada "à necessidade de processar um grande volume de informação e tomar decisões".

Estar informado e decidir exige do empregado um estado de atenção, ou uma capacidade de realizar várias atividades ao mesmo tempo, que podem causar "altos níveis de pressão psicológica", segundo o presidente da AEEMT.

O diagnóstico de uma doença profissional depende "muito da relação causa-efeito", já que quando se trata de uma doença comum é fácil reconhecê-la, mas um mal causado por esforço mental o diagnóstico demora mais, explicou Iniesta.

O estresse laboral é o segundo problema de saúde mais frequente na União Europeia, depois dos transtornos músculos-esqueléticos, segundo uma pesquisa do Instituto Nacional de Segurança e Higiene no Trabalho da Espanha, que adverte que 50% dos trabalhadores sofrem desse problema.

No trabalho, esta desordem pode causar uma baixa da produtividade, um maior risco de acidentes e um aumento das faltas.

Segundo o investigador César Martínez Praça, autor do livro "Estresse: aspectos médicos", e especialista em segurança e higiene no trabalho, no ambiente laboral há cinco tipos dessa doença, desde o grau mais leve, que é a hiperatividade emocional, até o mais severo, que é conhecido pelo nome japonês de "karoshi" e pode chegar a ocasionar a morte devido ao excesso de trabalho em ambientes extremamente exigentes.

Segundo um estudo canadense no qual participaram 6.719 homens e mulheres de negócios, entre 18 e 65 anos, trabalhar em empregos altamente estressantes pode elevar a pressão arterial quase dois pontos acima do normal.

"A exposição acumulada a trabalhos tensos aumenta a pressão sanguínea em homens de negócios, especialmente naqueles com baixos níveis de apoio social no trabalho", segundo a doutora Chantal Guimonte e sua equipe da Universidade de Laval, em Québec, no Canadá.