início > textos Ano XX - 21 de abril de 2019



QR - Mobile Link
CAIPIROSCA - A CRISE RUSSA DE 1997 SOB GOVERNO CAPITALISTA

SOBRE AS CRISES ECONÔMICAS DURANTE O GOVERNO FHC

FOLHA DE SÃO PAULO - PAULO NOGUEIRA BATISTA JR

São Paulo, 20/08/1998 (Revisada em 04-07-2018)

Referências: Crise Russa e no Leste Asiático, Globalização e o Descontrole Promovido pelo Neoliberalismo que tornou inócuos os Banco Centrais e as Políticas Econômicas e Monetárias Governamentais, FMI e Banco Mundial perderam suas respectivas funções, absorvidas pelo sistema financeiro privado, totalmente especulativo e volátil.

CAIPIROSCA - A CRISE RUSSA DE 1997 SOB GOVERNO CAPITALISTA

Por Paulo Nogueira Batista Jr - Economista e professor da Fundação Getúlio Vargas

Afinal, o que aconteceu com a Rússia?

Lá pelos idos de 1998, aqui no Brasil, alguns economistas e jornalistas, dispostos a desempenhar um papel tranquilizador, apressaram-se a declarar que as medidas anunciadas pelo governo Ieltsin na segunda-feira [anterior a 20/08/1998] eram "previsíveis". Mas a verdade é que reinava uma certa perplexidade, e não só no Brasil.

Em meados de 1997, a Rússia estava sendo celebrada como um dos mais promissores "mercados emergentes". Os mais otimistas proclamavam que o mercado russo era uma das maiores oportunidades de investimento do século 21. O capital estrangeiro, boa parte do qual volátil ou de curto prazo, entrava em massa sob a forma de empréstimos ou de investimentos em ações, títulos e outros ativos.

Como é possível que a situação tenha mudado tanto em tão pouco tempo?

Como é que um país passa da condição de "mercado emergente do futuro" à moratória unilateral no prazo exíguo, quase ridículo, de um ano?

Em 1998, como se sabe, a Rússia era um dos países mais problemáticos do planeta. Uma Indonésia com arsenal atômico, comentou o jornal britânico "Financial Times".

E vejam vocês como são as coisas. Um ano parece pouco, mas é muito tempo em época de crise financeira. Há apenas um mês, um mísero mês [julho de 1998], o FMI, o Banco Mundial e o Japão anunciaram um grande pacote financeiro para a Rússia, recebido com alívio pelos mercados internacionais.

É possível entender o que se passou?

Há aspectos da crise russa que são bastante conhecidos. O ponto de inflexão foi a confusão no Leste da Ásia em fins do ano de 1997. Fora daquela região, os países mais afetados na ocasião foram a Rússia e o Brasil, atingidos por uma forte diminuição do ingresso de capitais externos.

No caso da Rússia, aconteceu um choque externo adicional, não experimentado pelo Brasil: uma acentuada deterioração dos termos de troca, resultante da queda dos preços do petróleo e de outras "commodities" que respondiam e ainda respondem por parcela substancial das receitas de divisas e de impostos.

Sabe-se também que, a despeito do entusiasmo dos mercados financeiros internacionais, o governo, o quadro político e a política econômica na Rússia nunca foram brilhantes naqueles anos anteriores (para dizer o mínimo). Mesmo antes da crise de fins do ano de1997, a economia russa estava em recessão ou estagnada. O déficit público se manteve muito alto em todos os anos recentes e as dívidas interna e externa de curto prazo aumentaram perigosamente.

O grande resultado macroeconômico e principal trunfo do governo Ieltsin junto à sofrida população do país é (ou era) o controle da inflação, que caiu para apenas 4% nos 12 meses até julho de 1998.

O sucesso no combate à inflação resultava em parte de um esquema de ancoragem cambial caracterizado por uma banda relativamente estreita que vinha sendo ajustada de forma a garantir depreciação gradual do rublo. Foi o regime cambial que vigorou até a segunda-feira [anterior a 20/08/1998].

O outro trunfo é de natureza geopolítica: a Rússia é grande demais (e armada demais) para ser deixada à própria sorte pelo Grupo dos 7 e pelas entidades multilaterais de crédito.

Essa foi a consideração que presidiu à montagem do pacote financeiro de julho de 1998. Mas os casos da Rússia e dos países problemáticos do Leste da Ásia mostraram, e cada vez mais claramente, o esgotamento dos esquemas de emergência que vinham sendo arquitetados pelos grandes mestres da economia para apagar incêndios financeiros internacionais.

Em agosto de 1998, a Rússia não conseguiu mobilizar apoio adicional e acabou em moratória. Os países do Grupo dos 7 parecem já não ter condições políticas e financeiras de patrocinar novas intervenções em socorro de países problemáticos e seus credores e investidores externos.

Em última análise, a Rússia é mais uma vítima do canto de sereia das finanças internacionais globalizadas, totalmente especulativas, portanto, voláteis. E o colapso russo confirma, talvez de maneira especialmente dramática, aquilo que outras crises (recentes) vinham ensinando ao longo dos anos 90: a liberalização financeira e a ampliação dos fluxos internacionais de capital [globalizado] foram longe demais.

Diante do quadro de desordem financeira internacional [totalmente liberalizada e dissociada do controle monetário dos governos e de seus bancos centrais], a última coisa que países periféricos deveriam fazer é abrir-se indiscriminadamente a capitais externos, agarrar-se a bandas cambiais estreitas e acumular déficits elevados e pesados compromissos financeiros de curto prazo. Foi o que fez a Rússia naqueles anos da década de 1990.

Qualquer semelhança com realidades [brasileiras] mais próximas ao leitor é mera coincidência.


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.