início > textos Ano XIX - 25 de junho de 2018



QR - Mobile Link
A INCOMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA DOS INIMIGOS DOS TRABALHADORES

A INCOMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA DOS INIMIGOS DOS TRABALHADORES

O QUE NOS ENSINAM OS CATEDRÁTICOS EM CONTABILIDADE DE CUSTOS

São Paulo, 26/05/2018 (Revisada em 26/05/2018)

Referências: Analfabetos Funcionais, Política de Preços ao Consumidor no Governo Temer, Lei da Oferta e Procura Versus Formação de Preços ao Consumidor. As Bolsas de Valores como Cassino Global, Apostas, Jogo, Especulação, Manipulação das Cotações. CUSTO BRASIL. Corrupção, Doleiros, Lobistas e Corruptores. Privatização e Terceirização. Fraudes em Licitações Públicas. Sonegação Fiscal.

Por Américo G Parada Fº - Coordenador do COSIFE

O QUE NOS ENSINAM OS PROFESSORES SOBRE A CONTABILIDADE DE CUSTOS

Os acadêmicos, no curso de Ciências Contábeis ministrado nas universidades brasileiras (e também nas situadas no exterior), ficam sabendo que todos os custos operacionais (empresariais) devem ser repassados ao produto (ou serviço) vendido (ou prestado) ao consumidor final. Portanto, quanto maior for o número de empresas intermediárias entre os setores produtivos e os de consumo, maior será o custo do produto (ou serviço) vendido (ou prestado) ao consumidor final.

Porém, na prática têm-se observado que a maior parte das pessoas (os cidadãos comuns) nada sabem sobre o acima descrito. Pior é descobrir que também não sabem outros profissionais de nível superior que teriam a obrigação de saber. Como exemplo dos que não sabem mas que deveriam saber poderíamos citar alguns economistas, advogados e administradores de empresas.

Então, torna-se necessário esclarecer que os citados têm ou deveriam ter a contabilidade em seu currículo acadêmico, porque atuam no âmbito das pessoas jurídicas com ou sem fins lucrativos, sejam elas públicas ou privadas. E, os citados profissionais de nível superior precisam ter ao seu dispor uma perfeita contabilidade em que se possam basear para a tomada de decisões.

Muitos desses profissionais, incluindo-se nesse rol os lobistas corruptores, geralmente representam os interesses de empresários inescrupulosos, que são os verdadeiros causadores da inflação ocorrida em épocas passadas, visto que por meio de seus lobistas convenceram a maioria dos membros do nosso Poder Legislativo de que a Privatização e a Terceirização da produção e dos serviços resultariam em diminuição dos preços ao consumidor. Só um ANALFABETO FUNCIONAL acreditaria em tamanha mentira. Na prática, para cada intermediário existente na cadeia produtiva, o lucro de cada um desses intermediários aumentará sensivelmente o preço cobrado do consumidor final. No caso dos serviços prestados, como o ISS - Imposto sobre Serviços é cumulativo, o preço cobrado do consumidor aumenta mais rapidamente.

No nosso dia a dia foi possível observar que depois das privatizações ocorridas na década de 1990 os preços ao consumidor aumentaram substancialmente, muito acima dos índices de inflação oficialmente apurados. Mesmo sabendo-se que os índices de inflação sempre foram manipulados para baixo, a inflação média durante o Governo FHC foi o dobro da inflação média verificada durante o Governo Lula. Aqueles que não acreditam nessa verdade, podem obter informações precisas na internet, nos sites de muitos institutos de pesquisa.

Diante do exposto, de imediato é possível enxergar que a privatização e a terceirização como redutoras de custos operacionais é tese inaplicável na prática porque, como foi escrito, quanto maior for o número de empresas intermediadoras das mercadorias (dos produtos ou serviços) maior será o número de empresários gastando com suas mordomias representadas por megalomaníacos sinais exteriores de riqueza cujos exorbitantes custos são repassados ao consumidor final.

Discutindo-se a questão de outra forma, poderíamos alegar que nos segmentos operacionais das nossas empresas estatais privatizadas, melhor seria a manutenção daquele Monopólio Natural defendido pelos sensatos. No texto intitulado Os Monopólios Privados é chamada a atenção do leitor para a impossibilidade de privatização ou terceirização em determinados segmentos operacionais ou empresariais especialmente no caso dos serviços públicos explorados pelas antigas empresas estatais privatizadas.

Entretanto, apelar para a privatização tem sido a única saída possível para os governantes incapazes de bem administrar o patrimônio público ou a forma deles obterem aquela remuneração chamada de propina que é paga pelos lobistas representantes dos nossos já conhecidos corruptores.

Outro detalhe importante é que todos os países que privatizaram suas estatais estão falidos. Como exemplo temos quase todos os países europeus, excetuando-se apenas as monarquias escandinavas. Na Ásia não estão falidos alguns dos países árabes governados por sultões, emires entre outros assemelhados porque nesses países quase tudo é estatal. Isto é, quase tudo pertence ao Senhor Feudal que é o verdadeiro dono do País.

No texto Dubai World é Empresa Estatal é chamada a atenção para a existência do Regime Feudal ainda nos dias de hoje. A volta desse sistema feudal, na forma de neocolonialismo privado, está em Desvendada a Rede Capitalista que Domina o Mundo.

Portanto, diante do exposto, podemos dizer que o maior custo a ser repassado ao consumidor é evidentemente o das mordomias dos empresários e de seus executivos, principalmente nas grandes empresas.

Por que foi escrito "principalmente nas grande empresas"?

Embora os titulares ou sócios das micros, pequenas e médias empresas sejam tidos (por eles mesmos) como empresários, na realidade não são. Eles poderiam ser chamados de trabalhadores estabelecidos como varejistas ou trabalhadores sem patrão apesar de prestarem serviços para outros empresários (patrões).

Os verdadeiros trabalhadores são aqueles efetivamente incumbidos de realizar todas as tarefas existentes nas empresas. E nas citadas empresas varejistas, os titulares ou sócios também se incumbem de realizar muitas das tarefas que nas grandes empresas não são realizadas pelos patrões, executivos ou sócios controladores.

Assim sendo, a melhor definição para os micros, pequenos e médios empresários é a de que são Trabalhadores Estabelecidos como Varejistas ou Camelôs.

A INCOMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA DOS INIMIGOS DOS TRABALHADORES

Então, depois de todos estes rodeios, voltando-se à contabilidade de custos, podemos dizer que os indivíduos a serviço do Presidente Michel Temer não têm a mínima noção do que um contador faz como especialista nessa ciência que é utilizada para apurar o preço de venda ao consumidor final de determinado produto. Um contador jamais utilizaria como preço a ser cobrado do consumidor o valor de cotação daquele produto no pregão das Bolsas de Valores. Por quê?

Porque nas Bolsas de Valores as cotações praticadas são meramente especulativas. E esse preço de cotação em nada se relaciona ao custo de produção ao qual são acrescentados os demais custos, incluindo os tributos e o lucro líquido empresarial. Portanto, o preço de venda ao consumidor final em nada se relaciona à cotação daquele mesmo produto nas Bolsas de Valores. Os indivíduos que agem de forma diversa da utilizada pelos contadores não têm a mínima condição de trabalhar em qualquer tipo de entidade juridicamente constituída e muito menos terá condições de governar um País. Não saberá governar nem mesmo a sua vida pessoal.

De outro lado, dizem por aí que os preços dos combustíveis automotivos nos países desenvolvidos são inferiores aos praticados no Brasil. Então, sabendo-se que o salário médio nesses citados países desenvolvidos é superior a US$ 3.000 (três mil), sendo o salário médio dos brasileiros por volta de US$ 600 (seiscentos), obviamente o preço dos combustíveis aqui deveria ser 5 vezes menor que o cobrado naqueles países. Este é um dos itens do nosso famoso CUSTO BRASIL, além da corrupção, das fraudes em licitações públicas e dos exorbitantes sinais exteriores de riqueza dos nossos mais importantes sonegadores de tributos.

Diante do exposto, parece óbvio que os nossos dirigentes públicos patrocinadores do golpe institucional contra a Presidenta Dilma Russeff são verdadeiros ANALFABETOS FUNCIONAIS, conforme nos demonstrou o nosso mais importe deputado, que sempre substitui o presidente Michel Temer nas suas viagens ao exterior. O bicho ainda não aprendeu fazer contas. Conselho: Consulte um Contador especializado na Contabilidade de Custos.

Pior, eles parecem não ter a mínima noção da grandiosidade dos seus vexaminosos desempenhos. Por isso, o Povo brasileiro tem sido vítima de chacotas no exterior. No Jornal da Rede TV em 25/05/2018 comentando tais atos e fatos Boris Casoy afirmou: ISTO É UMA VERGONHA!!!