início > textos Ano XVIII - 24 de junho de 2017



QR - Mobile Link
13 PONTOS PARA EMBASAR QUALQUER ANÁLISE DE CONJUNTURA

13 PONTOS PARA EMBASAR QUALQUER ANÁLISE DE CONJUNTURA

OS MESQUINHOS INTENTOS DOS GOLPISTAS DE SEMPRE

São Paulo, 30/05/2017 (Revisada em 21-06-2017)

Referências: Falsos Representantes do Povo no Congresso Nacional Defendem somente os Interesses Mesquinhos dos Escravocratas Detentores do Poderio Econômico, que têm seus Bens, Direitos e Valores Blindados em Paraísos Fiscais em que Bancos Offshore atuam no Shadow Banking System - Sistema Bancário Fantasma. Crise, Reformas, Eleições Indiretas.

13 PONTOS PARA EMBASAR QUALQUER ANÁLISE DE CONJUNTURA

O complexo financeiro-empresarial não tem opção partidária, não veste nenhuma camisa na política, nem defende pessoas. Sua intenção é tornar as leis e a administração do país totalmente favoráveis para suas metas de maximização dos lucros.

Por Maurício Abdalla - professor de filosofia na Universidade Federal do Espírito Santo. Publicado por Le Monde Diplomatique - Brasil em 24/05/2017. Com negritos, com anotações em letras azuis e com comentários em NOTAS DO COSIFE por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE.

1 - O foco do poder não está na política, mas na economia. Quem comanda a sociedade é o complexo financeiro-empresarial com dimensões globais e conformações específicas locais.

 NOTA DO COSIFE:

Os governantes de todos os países são indiretamente comandados por Cartéis sediados em Paraísos Fiscais, de onde vem o tal Capital Estrangeiro de Sonegadores de Tributos.

Aliás, as Reservas Monetárias, que o Brasil vem acumulando com suas exportações de alimentos e minérios, destinam-se à remuneração daquele "indispensável" Capital Estrangeiro.

"É preciso que os investidores tenham confiança no Brasil". Esse é o discurso comummente ouvido pelos telespectadores.

Afinal, quem desconfiaria de um país que vem sustentando a Europa há mais de 500 anos? Ninguém desconfiaria porque os ditos investidores sabem muito bem que o Brasil tem riquezas inesgotáveis principalmente no Setor Rural.

"O Brasil Pode Ser o Celeiro do Mundo" já diziam os defensores da Reforma Agrária antes do Golpe Militar de 1964. Ouvindo os defensores do Brasil Rural, o Presidente Médici criou a EMBRAPA em 1973.

Somente no Governo Lula o Setor Rural BOMBOU!!!. Por isso, Ronaldo Caiado, o líder ruralista, ficou "Podre de Rico".

De toda essa riqueza acumulada em Reservas Monetárias, para o Povo brasileiro nada sobrará nos cofres do Tesouro Nacional.

Para o nosso Povo Michel Temer está reservando apenas a miséria, sem direitos trabalhistas e previdenciários. Enfim, sem Direitos Sociais.

Os membros do COPOM são os que fixam as altas taxas de juros que erradicarão as nossas Reservas Monetárias. Trata-se de verdadeiro Desfalque no Tesouro Nacional.

Michel Temer não está preocupado com os R$ 600 bilhões perdidos anualmente com os juros exorbitantes fixados pelo COPOM que geram enorme déficit no Orçamento Nacional.

Nesse rombo (está escrito rombo e não roubo) não se está contando com os mais de R$ 160 bilhões perdidos em Operações de SWAP numa jogatina no Cassino Global (Bolsas de Valores) em que se arriscou infantilmente o ex-presidente do BACEN (Tombini).

Ninguém se importou com tais perdas, nem o Juiz Sergio Moro e nem os Procuradores da República. As perdas na Petrobrás podem ser consideradas "MERRECA" comparadas com as citadas.

Porém, sabendo disso, para reduzir as perdas (os défices), o nosso Presidente Golpista  está querendo tirar R$ 150 bilhões dos aposentados para que não haja déficit na Previdência Social que também é parte do Orçamento Nacional que vem sendo desfalcado por desmandos como os citados acima.

Em suma, Temer quer tirar dos pobres para dar aos mais ricos sonegadores de tributos.

ORÇAMENTO NACIONAL X CONTABILIDADE NACIONAL

O interessante de tudo isto é que os juros fixados pelo COPOM inicialmente são tirados do Orçamento Nacional (diminuem o resultado entre as Receitas de Tributos e os Gastos Públicos internos).

Porém, se logo a seguir os juros fixados pelo COPOM forem remetidos para o exterior, também saem das Reservas Monetárias que compõem o Balanço de Pagamentos extraído da Contabilidade Nacional = Resultado obtido pelo Brasil em suas relações com o Exterior = Exportações menos Importações, entre outros quesitos.

Isto significa que os Reais saídos do Orçamento Nacional foram retirados do meio circulante pelo Tesouro Nacional em troca das Reservas Monetárias constantes do Balanço de Pagamentos.

Assim sendo, os Reais retirados do meio circulante deveriam voltar para o Orçamento Nacional. Isto significa que o dinheiro está saindo duas vezes e de contabilidades diferentes.

Por isso podemos dizer sem medo de errar que  existe um falso déficit público (interno = déficit no Orçamento Nacional), que também poderia gerar idêntico déficit no Balanço de Pagamentos.

Parece óbvio que essa estranha contabilidade feita por economistas não fecha.

Não se pode tirar o mesmo valor de duas contabilidades diferentes. Isto é, não se pode tirar o mesmo valor de dois balanços patrimoniais diferentes sem a contabilização das respectivas contrapartidas em cada uma das contabilidades.

No Método das Partidas Dobradas, para cada débito deve corresponder um crédito de mesmo valor dentro de um  mesmo Balanço Patrimonial e isto está acontecendo em dobro. O mesmo valor está saindo de duas contabilidades diferentes: Sai da Contabilidade Pública e depois sai novamente da Contabilidade Nacional, quando o dinheiro dos juros da dívida ou do resgate de títulos vai para o exterior.

Diante do exposto podemos dizer que os Reais oriundos da venda das reservas monetárias deveriam voltar para o Orçamento Nacional. Aí está o grande erro dos economistas. Talvez estejam cometendo tal erro de forma proposital somente para gerar défices artificiais para que todos creiam que o Brasil de fato está quebrado, o que não é verdade.

O Brasil está sendo quebrado por meio dessas e de outras malandragens aplicadas por meio de políticas econômica e monetária engendradas por aqueles 370 que têm seu dinheiro sujo escondido em paraísos fiscais para que seja apelidado de Capital Estrangeiro.

Repetindo: Os Reais retirados do meio circulante pelo Tesouro Nacional em troca das reservas monetárias deveria voltar para o Orçamento Nacional.

Com esse retorno do dinheiro que não foi realmente retirado do Orçamento Nacional, não mais existiria o défice público interno porque na realidade aquele dinheiro não saiu do Orçamento Público (Receitas de Tributos menos Gastos Públicos). O dinheiro saiu sim do Balanço de Pagamento que é oriundo de outra contabilidade (Brasil Versus Exterior = Exportações menos Impostações).

Estão enganando o Povo brasileiro.

Do explicado resulta o tal Desfalque no Tesouro Nacional. Simplesmente uma parte do dinheiro sumiu. Foi retirado de circulação, embora realmente recebido na forma de Tributos para pagamento dos verdadeiros Gastos Públicos necessários à Saúde, à Educação e a outros Direitos Sociais do nosso Povo, todos estes previstos na Constituição Federal de 1988, chamada de Constituição Cidadã que Temer quer tornar sem efeito.

2 - Os donos do poder não são os políticos. Estes são apenas instrumentos dos verdadeiros donos do poder.

NOTA DO COSIFE:

No Congresso Nacional, dois terços dos políticos são Falsos Representantes do Povo pois só defendem os interesses mesquinhos e escusos dos grandes capitalistas.

3 - O verdadeiro exercício do poder é invisível, blindado (incógnito pelo sigilo bancário e fiscal) em paraísos fiscais. O que vemos, na verdade, é a construção planejada de uma narrativa fantasiosa com aparência de realidade para criar a sensação de participação consciente e cidadã dos que se informam pelos meios de comunicação tradicionais, que são os chamados de Mercenários da Mídia

NOTA DO COSIFE:

Nos meios de comunicação falados e televisados, os locutores e os interlocutores, como fantoches, apenas leem o que devem falar, sem entender o que está sendo falado.

Eles, com raras exceções, são analfabetos funcionais. Estimativas nos mostram que estes são 68% da nossa população total.

4 - Os grandes meios de comunicação não se constituem mais em órgãos deimprensa”, ou seja, não são instituições autônomas, cujo objeto seria a notícia. Eventualmente, esses órgãos podem ser independentes, comprados ou cooptados por interesses escusos. Eles são, atualmente, grandes conglomerados econômicos que também compõem o complexo financeiro-empresarial que comanda o poder invisível. Portanto, participam do exercício invisível do poder utilizando seus recursos de formação de consciência e opinião.

NOTA DO COSIFE:

São os Manipuladores da Opinião Pública. Realizam uma diuturna Lavagem Cerebral.

Em sua Nefasta atuação, esses Mercenários da Mídia apenas veiculam o que seus grandes anunciantes permitem que seja publicado.

5 - Os donos do poder não apoiam partidos ou políticos específicos. A tática é apoiar quem lhes convém e destruir quem lhes estorva. Isso muda de acordo com a conjuntura ou de conformidade com a segregação social a ser maximizada. O exercício real do poder não tem partido e a única ideologia é a supremacia do mercado e do lucro

NOTA DO COSIFE:

O Povo e principalmente os chamados de "coxinhas" são inconscientemente transformados em Escravos do Sistema (são as vítimas da Lavagem Cerebral promovida pelos meios de comunicação patronais - mídia).

Nesse cenário caótico, os Mercenários da Mídia representam um indireto Regime Feudal semelhante ao Coronelismo vigente no período do nosso Império e da Velha República (República Oligárquica), derrubada por Getúlio Vargas em 1930.

Porém, no decorrer de todo esse tempo, os ditos mercenários continuam atuando plenamente, embora neste século XXI tenham como concorrentes as redes sociais, que também têm os "coxinhas" como fervorosos defensores das maracutaias praticadas por seus patrões escravocratas.

Para os manipulados pela imperceptível lavagem cerebral, errado é quem defendem os Direitos Sociais do Povão. Errado é quem quer cobrar tributos dos mais ricos.

6 - O complexo financeiro-empresarial global (Shadow Banking System = Sistema Bancário Fantasma) pode apostar ora em Lula, ora em um político do PSDB, ora em Temer, ora em um aventureiro qualquer da política. E pode destruir qualquer um desses de acordo com sua conveniência.

NOTA DO COSIFE:

A Corrupção pode ser sintetizada como mero Suborno de Políticos e de outros tipos de servidores públicos dos três poderes da Nação.

Os principais agentes dessa devastadora corrupção são contratados por representantes dos grandes empresários que se utilizam do indispensável "trabalho" de Lobistas, Doleiros e Cambistas na qualidade de intermediadores de um sistema doentio que conta com o inflexível apoio dos "coxinhas" que diuturnamente pululam nas redes sociais em defesa dos atos escusos patrocinados por seus patrões.

7 - Por isso, o exercício do poder no campo subjetivo, responsabilidade da mídia corporativa, em um momento demoniza Lula, em outro Dilma, e logo depois Cunha, Temer, Aécio, etc. Tudo faz parte de um grande jogo estratégico com cuidadosas análises das condições objetivas e subjetivas da conjuntura.

NOTA DO COSIFE:

Trata-se do verdadeiro Anarquismo: Se há Governo, Sou Contra!!! Capital não tem Pátria!!!

Segundo os Inimigos do Povo, tudo deve ser controlado pela Iniciativa Privada sediada em Paraísos Fiscais e por Capitalistas Sem Capital que sempre dependem de Empréstimos Governamentais.

Para conseguir tais incentivos à iniciativa privada, os aproveitadores sempre têm como seus agentes de pressão os Falsos Representantes do Povo, obviamente apoiados pelos "coxinhas" e pelos demais membros da camarilha.

8 - O complexo financeiro-empresarial não tem opção partidária, não veste nenhuma camisa na política, nem defende pessoas. Sua intenção é tornar as leis e a administração do país totalmente favoráveis para suas metas de maximização dos lucros.

NOTA DO COSIFE:

Para maximização desses lucros, as leis devem ser aprovadas pelos Falsos Representantes do Povo que ocupam 2/3 da cadeiras do Congresso Nacional. Estes são Escravocratas, Extremistas de Direita, preconceituosos e discriminadores (Segregacionistas).

Por sua vez, os rentistas escondidos em paraísos fiscais também precisam das altas taxas de juros fixadas pelos membros do COPOM - Comitê de Política Monetária, para garantia de alto rendimento na esfera internacional, totalmente isento de tributação.

9 - Os donos do poder não querem um governo ou outro à toa: eles querem, na conjuntura atual, a reforma na previdência, a extinção de direitos sociais como o fim das leis trabalhistas, a manutenção do congelamento do orçamento primário (cujas verbas destinam-se ao bem-estar do Povo), os cortes dos demais gastos sociais para que sobre mais dinheiro para o pagamento do serviço da dívida (juros pagos ao Capital Estrangeiro de Sonegadores de Tributos), para o financiamento de privatizações (empresas estatais dadas aos capitalistas sem capital) e para evitar a cobrança de tributos que deveriam ser pagos pelos mais ricos.

NOTA DO COSIFE:

Todas as reformas perseguidas por Temer e impostas por seus apoiadores condenam o Povo Brasileiro a um oficial retorno ao Regime Feudalista que impediu o crescimento da Europa durante os primeiros 1500 anos depois de Cristo e deixou a população europeia na mais extrema miséria.

Conforme tem sido demonstrado em filmes e em novelas, seus autores tentam nos mostrar o que de fato acontecia na Antiguidade e na Idade Média. Assim vem acontecendo porque os nossos velhos professores do ensino elementar e médio não nos contavam a verdade escondida nos fatos históricos como a conquistas de povos mais fracos para escravizá-los economicamente.

Atualmente, ao assistirmos as obras televisivas de alguns autores, tem ficado claro que a grande massa populacional daqueles idos tempos era totalmente escravizada. Assim, o Brasil do amanhã tende a ficar pior se aprovadas as reformas impopulares de Michel Temer.

Hoje não somos vítimas do colonialismo direto, porém, somos vítimas do neocolonialismo que desde o nosso falso grito de independência vem eternizando os países do hemisfério sul como colônias econômicas dos chamados de países desenvolvidos. Daqui retiram minérios, alimentos e desviam para paraísos fiscais os lucros obtidos para que não sejam tributados em nosso território.

Parece claro que os atuais donos do poder querem nos levar de volta àquele triste passado em que viviam os povos que se tornavam escravos dos seus dominadores.

10 - Se a conjuntura indicar que Temer não é o melhor para defender os interesses dos mais poderosos, não hesitarão em rifá-lo. A única coisa que não querem é que o povo brasileiro decida sobre o destino de seu país.

NOTA DO COSIFE:

Para que o Povo não vote, embora quase sempre o faça de forma errada como na eleição municipal de 2016, que teve 1/3 dos votos em branco ou nulos e abstenções, os donos do poder querem o sistema de eleição indireta, da mesma forma como acontecia no Regime Militar iniciado em 1964.

Os milicos de 1964 também eram partidários do Feudalismo tal como na Velha República. Queriam a revogação da Lei Áurea, a pedido na nossa Elite Empresarial Escravocrata. Os milicos tentaram implantar o Parlamentarismo. A implantação da Monarquia era defendida pela nossa Elite Vira-Lata sedenta por títulos de nobreza.

No Regime Feudalista todos os sem estirpe são escravos, inclusive a camarilha do Senhor Feudal ou do Monarca, exceto nas monarquias escandinavas que optaram pelo socialismo, para que os monarcas não fossem depostos tal como foi o Czar dos russos em 1917.

11 - Portanto, cada notícia é um lance do jogo. Cada escândalo é um movimento tático nesse desconcertante jogo de xadrez. Analisar a conjuntura não é ler notícia. É especular sobre a estratégia que justifica cada movimento tático do complexo financeiro-empresarial (do qual a mídia faz parte), para poder reagir também de maneira estratégica se o Povo se rebelar.

NOTA DO COSIFE:

Então, entram em cena as forças policiais repressoras.

Assim sendo, passa a haver uma luta em que de um lado está o Povo (os bem armados soldados subjugados por seus superiores hierárquicos, que não conseguem acabar com verdadeira criminalidade reinante) e do outro lado está outra parcela do Povo (que quer se libertar da semiescravidão imposta pelos patrões).

12 - A queda de Temer pode ser uma coisa boa. Mas é um movimento tático em uma estratégia mais ampla de quem comanda o poder. O que realmente importa é o que virá depois.

NOTA DO COSIFE:

Se o resultado não for favorável aos dono do poder, eles tramam novo golpe.

O Povo é sempre o maior prejudicado.

13 - Lembremo-nos: eles são mais espertos e têm o apoio do "coxinhas" e da nossa velha elite vira-lata. Por isso estão no poder.

NOTA DO COSIFE:

O pior é que geralmente estão no poder os contrários ao bem-estar da população. Embora os principais eleitores sejam os 80% menos favorecidos.

Isto não vem acontecendo somente no Brasil. Está acontecendo em todos os países.

Trata-se de uma trama global, engendrada pelos sonegadores de tributos que têm seus bens, direitos e valores blindados em paraísos fiscais.